terça-feira, 15 de dezembro de 2009

As vezes eu não compreendo a vida como ela é...


De repente você olha a vida e o que vê em volta não corresponde à vida que o Evangelho lhe propusera ser como sinônimo de paz, alegria e felicidade. Aí você diz a si mesmo: o que se define como felicidade desejada por todo mundo não poderá ser igualada a felicidade que oferece o Evangelho na vida renunciada. Porque para se ter felicidade, alegria e paz signifiquem ser próspero e não rico, e obter a tal satisfação pessoal buscada pelas pessoas em geral não vai além de conquistas pessoais e que para se conseguir, digo, se ter na vida esta ‘fortuna’, seja mais uma questão de disponibilidade própria do que mesmo uma disposição divina a nossa mercê. Na maioria das vezes é a prudência que encabeça a chance de se obter êxito no que se faz...,
Se o maior ‘inimigo’ do homem é o egoísmo de querer sempre ter como condição de quem se sente mais seguro no que se vê e no que se pode tocar, contrária a esperança da provisão divina do pão diário, confessamos que já não se pode mais competir ante a solicitude da vida. E aquilo que se demanda de mais importante já não aja com tanto desvelo divino assim...,
Entretanto, o Senhor continua a apontar para os pássaros que jamais fugiram do zelo de Deus!
E se os passarinhos que são vendidos e criados em gaiolas domésticas e jamais foram esquecidos diante de Deus, imaginemos nós que valemos mais que dois pardais para Deus?
O filho pródigo que habita no homem clama frequentemente por uma vida melhor, mais consumista, e mais confortável do que se possa ter sendo do Evangelho.
Ás vezes nos comportamos semelhante ao irmão do filho pródigo que demonstrou total avareza. Vejo que o maior problema não esteja em prosperar, porém se localiza em não se saber qual o limite de cada um..., qual a porção dada a cada um..., e a qual contentamento irá nos levar. Visto que a ingratidão dissolve a afeição!
Portanto vemos aqui dois pólos antagônicos: um pólo da prodigalidade humana e outro pólo da avareza humanizada. Os dois se desembocam no mesmo mar, da ilusão de uma vida vinculada ao imediatismo e linear..., cujos olhos humanos estão voltados para: a competitividade acirrada..., para a lei da sobrevivência..., e para a caça-conquista de seu primeiro milhão (sonho de muitos empresários brasileiros).
Veja como é difícil ser um cidadão trabalhador e honesto que ganha salário mínimo.
Um país que suga através de impostos o seu ordenado que mal dá para cobrir as despesas básicas, como: moradia, saúde, educação e alimentação.
Aí você pede a Deus uma ‘palavra’ em meio a crise de pouco dinheiro para muito debito no cartão de crédito, e quando você abre a Bíblia em busca desta palavra alentadora, o trecho da Bíblia que aparece é o seguinte: “Se contente com apenas o seu soldo”(João batista advertindo os soldados romanos que provavelmente recebiam propinas além de seus salários).
O incrível é compreender-mos que Deus só faz as coisas quando deseja. E quando há uma disponibilidade da Sua parte para isso!
Jesus foi indagado por um homem se era licito pagar impostos a Roma, e imediatamente respondeu que sim – “Pedro vai pescar um peixe e da sua boca retira a dracma que corresponde ao pagamento do meu e do teu tributo”.
Sim, a provisão divina está presente na vida de quem entrega tudo o que considera de mais importante e valioso para Deus dirimir com maestria?
Não, isso não é nada fácil, porém nos ensina que ter fé em Deus é primeiramente confiar na sua fidelidade em tudo sobre nossa vida, e deixar-se sondar pela graça do Evangelho que traduz o incompreensível em fé e  o inimaginável em provisão de Deus canalizada para seus filhos [foi assim no deserto com os hebreus].
Conta também com um fluxo de prosperidade espiritual, emocional e temporal. Ainda que Deus seja Eterno, Ele sabe que a nossa peregrinação neste planeta é breve. E o que mais importa para Ele são exatamente os valores que se eternizarão em nós do que mesmo as efemeridades desta vida.
Portanto minha gente, o propósito do Pai é nos fazer sempre e sempre o bem e não como se pregam hoje: “Que Deus esteja mais preocupado com as nossas realizações do que nos fazer compreender acerca da eternidade ao Seu lado”...
O importante, aliás, o que de forma indelével ficará registrado em nossa existência como filhos de Deus, é o quanto o Pai nos poupou e nos livrou silenciosamente de toda a sorte de destruição e perdição possível.
Ou exista ainda alguém em nosso meio que cogite algo contrário a promessa de Cristo dita pelo Apostolo João: “O maligno não lhes toca”.
Ora, se o sangue da Aliança Eterna e irrevogável nos cobre com total proteção e provisão diária meu maninho? Creia, não há mais nada neste plano natural e linear que possa nos separar do amor de Deus explicito em Cristo Jesus, nosso Senhor!
Nada mesmo poderá nos separar Dele.
Nem a nudez encoberta pelas folhas da figueira da religião...,
Nem a espada que muitas vezes puxamos para o próximo...,
Nem a altura que o Diabo possa nos levar para sermos tentados nas tentações da vida...,
Nem a profundidade psicológica que nos põe às vezes no limiar que existe entre  a loucura e a  fé...,
Nem o abismo abissal que evocam os nossos ‘monstros-marinho’de alma...,
Nem mesmo o ‘eu’ fetichizado pelo capitalismo...,
Nem a fome espiritual de justiça...,
Nem a doença que destrói o corpo biológico..., e
Nem criatura alguma poderá nos separar de Seu amor e glória. E é simples, basta crer e andar no Seu amor sem medo algum!
Posto que não haja mais nada que me faça andar oprimido e com medo nesta vida!
Agora eu posso olhar a minha volta e mesmo vendo muita coisa que não compreendo e discirno bem, e não concordo. Descanso em saber que da Sua boca sairá somente o que for útil e favorável ao bem.
Conquanto hoje vivo-e-ando com a minha mente tranquilinha e o meu coraçãozinho pacificado Nele que é o Tudo o que preciso.

Mano Serafim 09/09/09