domingo, 17 de janeiro de 2010

A partícula de DEUS (ficção ou realidade?)...



Em outro artigo aqui eu havia dito que a física quântica é a física das possibilidades imensuráveis. Podendo examinar qualquer tipo de vida sob as partículas subatômicas e de feixes de energias concentradas...,

A ciência quântica enveredada pelo surto da origem do Universo e na descoberta de Deus acabou se deparando com a antimatéria (o que dar massa a todos os corpos/matérias). Cientificamente falando, a antimatéria significa uma coalizão de feixes carregados de prótons e outros feixes carregados de íons no afã de se reproduzir um Gênesis sobre a teoria de Big Bang, no laboratório subterrâneo colossal em Genebra, Suíça, estes experimentos estão sendo realizados por cientistas de todo o Mundo.

Somente e através da antimatéria (caos onde surgiu toda a matéria do Universo) que os cientistas podem estudar os corpos no universo e descobrir a sua massa...,

Batizada com o nome “A partícula de Deus”, a antimatéria, dependendo de sua quantidade produzida pode detonar uma área gigantesca ou até mesmo o Planeta produzindo assim um cataclismo cósmico...,

Sim, a antimatéria ou o “espirito’ da matéria seria um deus criado pela mente humana através da ciência para aniquilar com a nossa fé em um Deus que “permite” que as produções cientificas formadas pelas elucubrações de homens céticos se rebelem contra Ele?...,

O que se cogita inicialmente no que diz respeito a esta empreitada cientifica é a certeza que a ciência deseja ter quanto à origem do universo. E não uma “vingança” cientifica contra as crenças medievais da Igreja Romana (a qual condenou a Galileu a fogueira santa da Inquisição por afirmar que a terra era esferica).

Permitamos a ciência vociferar no campo da “criação” uma teoria que explique a antimateria como energia suspensa no ar e que em contato com as duas energias dos pólos de prótons explodam nascendo assim a teoria de Big Bang, que por sua vez explica a expansão evolutiva: “Embora o espaço possa ter sido concentrado em um único ponto no big bang, é igualmente possível que o espaço fosse infinito no big bang”. Significa que: “O Universo não está em expansão, mas sim, foi EXPANDIDO”, tendo como propulsão a expansão originada da compressão no micro (do tamanho da cabeça de um alfinete) Universo a explosão cósmica do Big Bang...,

Ora, se acreditamos em um Deus atemporal, apenas deixaremos que a arrogante Ciência cumpra o seu papel de inquirições e perquirições quanto ao Genesis não revelado à mente alguma, senão a do espírito. Somente o homem espiritual poderá compreender as coisas de Deus!

Assim como cremos que Deus é Espírito. Não será a vacuidade dos pensamentos científicos a voz da revelação divina em relação à Origem de tudo. Na Bíblia Sagrada não há em nenhum lugar sequer um registro que aponte para as insanas teorias e fórmulas grotescas do pensar humano falido..., não, não há sequer um resquício de memória onde o homem possa aconselhar e instruir a Deus, Cujo arquiteto do Universo se assenta sobre o seu Globo terrestre (Is.40).

Se todos os arquétipos filosóficos não terminassem num platonismo redundante, acredite Deus já teria jogado a toalha na lona...

E esta espiritualidade cientifica moderna colocaria de uma vez e por todas, o Criador (Deus) numa cápsula ou lhe poria num invólucro mortal, sim lhe daria um corpo finito. E Deus não mais seria: Absoluto e distinto da imanência do Panteísmo.

Todavia a vida segue o seu destino misterioso e na morte silenciam-se as vozes da ignorância dos homens desprovidos de fé. Porque é diante e no tribunal de Cristo onde saberemos não quem é que manda no pedaço, mas em quem se concentram escondidos todos os segredos da ciência e da sabedoria.

Se a antimateria prova a origem da vida no Universo como um todo sem auxilio de um deus, a crença em Deus revela a sabedoria do homem em saber conviver com as duas idéias opostas!

Se Deus não se manifesta ante ao tema em circunstância alguma, talvez a sugestão mais apaziguadora entre a Ciência e a Religião se culmina em ambas desconhecerem quem Deus seja, ou quem de fato seja o Deus!

Posto que de energia o Universo seja feito e isto é fato inegável pela ciência, religião e filosofia..., Porém, e por mais que o Universo esteja em “expansão” jamais poderemos chegar a uma conclusão definitiva sobre a Criação se antes não descobrirmos qual o propósito de Deus na Criação!

Uma coisa é ter ciência de que Deus é o Soberano sobre a Criação, outra coisa é provar que Ele não o seja!

A minha filha Rebeca esta semana no culto doméstico me perguntou o porque da Criação? Eu a disse que não sabia o porque-porque da Criação, mas a disse que talvez seria por ter Deus nos amado unilateralmente, ou seja foi uma decisão pessoal Dele e mais nada, pois, acredito que não haveria nada a ser criado se não houvesse um PRÓPOSITO DIVINO DE AMOR!

O universo e tudo que nela há é fruto do Amor de Deus e não algo que surgiu do nada e de uma eternidade de coisa nenhuma. Pois, não há sentido, não há propósito de viver e morrer se não for por uma decisão de Quem cria...,

Não há respostas para a Ciência quando morre alguém e nem mesmo o mais sábio dos homens que salva vidas através da medicina pode discernir a eternidade e o porvir.

Parece-me que a dificuldade de compreensão esteja atrelada ao livre arbítrio humano e a sua subjetiva obediência... Embora a teologia já nos provasse que Deus é Espírito Transcendente por si só... E Espírito imanente na Criação como um TODO!

Todavia na mente cientifica quântica a “partícula divina” se manifesta como energia criadora invisível, e porque não dar o braço a torcer: “espírito em forma de energia”. Sendo assim convenceria mais fácil todas religiões, inclusive o famigerado cristianismo histórico e abscurantista.

Conquanto se o homem pensa que sabe o que Deus pensa, se engana, pois, que Deus pensa, isso sabemos que pensa, entretanto os seus pensamentos não são como os nossos pensamentos...E o seu caminho contradiz o nosso!

Portanto, seja o Universo criado da antimateria que veio a ser matéria palpável e patente aos olhos humanos, ou criado expressamente pela Palavra de Seu poder, ambas as teorias não se misturam como o rio Negro e o Solimões, mas desembocam no mar da existência criadora.

Ao contrário disso é o caminho do presunçoso sobre a face da terra... Ele pensa que sabe alguma coisa em relação à vida, ao amor e a morte, porém, não sabe o que de fato lhe seja conveniente saber.

E para os ateus que porventura estejam lendo este texto os convido ao êxodo de vosso niilismo pós-Nietzsche!


Pense nisso!



Mano................ 17/01/2010