terça-feira, 19 de janeiro de 2010

A Perdição da fé...

Um surto positivo de quem pode ver além do sistema religioso...
Perdi a fé nos homens..., Pois, os homens deixaram-na.

Perdi a esperança da fé dos evangélicos..., Pois, a religião sufocou-a.

Perdi a longanimidade da fé na cura dos homens..., Posto que a paciência tivesse seu fim.

Perdi o espírito do discurso..., Pois, a retórica se tornou boa noticia.

Perdi o entusiasmo pela “igreja”..., Pois, ela institucionalizou-se e decretou a sua morte.

Perdi o encantamento da graça..., Pois, os operadores de “milagres” banalizaram-na.

Perdi o amor altruísta..., Posto que os amantes de Constantino dissolveram-no nas fogueiras santas da religião.

Perdi o brilho dos olhos no rito..., Pois, os ourives da irmandade tornaram-se mestres diante do improviso.

Perdi-me em meio a este emaranhado de escorpiões e de serpentes: A simplicidade das pombas e a prudência dos sábios...,

Perdi-me e encontrei-me no meio da multidão que indo e vindo impelido pelo vento. Acordei e firmei-me em meio à multidão de gente que nascem, são e se vão, sem nem menos saber de que a fé é um caminho sem volta, sem compreender de que o alvo deverá ser atingido; sem provar na essência de total plenitude, o provérbio tão anunciado pelos sábios: “Vá e viva a vida com toda a sua vida”....

Perdi-me em meio ao temporal de vozes.....

Achei-me no mais escuso e escuro gueto de minha alma..

Apavorei-me diante da melancolia que subia ao coração, cujo desejo meu era saborear das águas plácidas.... Porém, novas.

A fé me deixou e não me restou fé!

A vida me reprovou, porque escolhi o cristianismo...

A resposta que tenho talvez seja uma saudade do tempo eu que era menino...,

Sim!

Menino no saber e no conhecimento de Deus. Naquele tempo que não regressa a ingenuidade da ignorância..., me fazia imaginar e crer no inimaginável de ser...

Ah, quanto ansiei chegar o dia em que teria um conhecimento de Deus, dos homens e da Igreja... , Hoje o que vejo e sensorialmente percebo, é a apostasia tomando corpo, dimensão e reino.... Apostasia espiritual, pessoal e fatal.

Ainda assim tenho saudades do tempo onde o peso do saber espiritualmente não pesava tanto em meus membros mortais..., Ah! Se pudesse me encontrar com Deus e lhe falar: Seria divino apostar em vidas que desprezam o amor? Seria santo perdoar todas infames nudezas da arrogância? É justo sofrer o sofrimento pelo descaso de homens que por lhe faltarem alma dizimam vidas em série, só para se embriagar do poder?

Ora, a fé me abandonou no momento em que eu mais a indaguei sobre a sua autenticidade e proposta de eternidade!

Sim, a fé nos homens manipuladores das massas, a fé nos cientistas da teologia; a fé na instituição cristã; a fé nos púlpitos eclesiásticos; a fé nas obras mortas; a fé no culto humanizado pelos deuses da mitologia cristã; a fé nos papa (i)s da igreja nominal...;

Um intrigante desabafo da fé - Que se viu morrer nos corações dos cristãos pós-modernos...

Todavia a fé salvífica, límpida e revigorante no Filho de Deus, me faz a cada dia mais rever os meus conceitos, coração e passos...,

Faz-me levantar a cabeça e vislumbrar novos horizontes;

Faz-me crescer no entendimento do amor ao próximo e em Deus;

Faz-me acreditar que para tudo existe uma solução;

Sim, ainda resta uma chance para a Igreja emergente: A fé no Evangelho do Cristo Ressurreto!

A plenitude dos gentios ainda não se completou, e a porta da Graça ainda não se fechou!

Vamos lá!!!!!!!!

O tempo não apaga a verdadeira fé.


Deus colocou poder em nossas mãos!


Nele, Que jamais foi um cristão, mas o Autor da minha Fé.
Mano Serafim