sexta-feira, 22 de janeiro de 2010

Você tem uma escolha...


É na verdade infeliz o homem que se acostumou tanto com o mal a ponto de não o achar horrível. A prática do mal dessensibiliza tanto o individuo que o torna cínico para com a verdade e desprovido totalmente de hombridade...,
Da mesma forma acontece com o crente penitente que pela demanda de suas confrarias erigiu um monastério na sua individualidade pagã. E a cada “pecadinho” uma oração de arrependimento corriqueiro e contumaz...,
A nobreza de caráter se dissolve ao passo que o sujeito encara o maL como uma coisa simplória e culturalmente natural, pois, a condição para possuirmos hombridade requer que sejamos sinceros não somente com os outros, mas com nós mesmos. Daí, cada inter-relacionamento que nos exige sinceridade e verdade a “salvação” provavelmente seja a ladainha do padre nosso de cada dia... Sim! O grande engano aponta para a remediação como pano de fundo para qualquer descaração que porventura seja feita por nós...,
E o “remédio” está na religião utópica e vazia que em tempos modernos viabiliza as ações mais bizarras possíveis da classe clerical...,
Posto que se para os “grandes criadores de deuses” e para os que “falam” em nome de Deus todos os pecados pré-meditados são perdoados premeditadamente imaginem então para os que são ignorantes quanto a isso?
Quem de fato pensa que o pecado faz mal a Deus se engana totalmente. O pecado faz mal ao pecador!
Ora, se de fato soubéssemos discernir o bem que nos faz tanto mal, e por outro lado, o mal que nos traz tanto bem , eu diria, o paradigma está arraigado na consciência de quem procura na verdade a essência da grandeza que habita no interior de cada homem!
Saiba que ninguém é capaz de fazer o BEM a Deus - o salmista disse: "Que darei eu ao SENHOR, por todos os benefícios[beneplácitos, bondade] que me tem feito?"(Sl.116.12).
Sobrepondo a loucura do virtual e submetendo-se a realidade sensorial que nos põe na mesa da reflexão e nos convida para o sentido mais real da humanidade relacional e pacifica. Pode-se dizer:
Se há alguma motivação que seja da vida em amor...,
Se há alguma inspiração que venha de um espírito reto...,
Se há algum sentimento que seja o mais nobre possível...,
Se há arestas que todas elas sejam aplanadas no cotidiano dos relacionamentos...,
Imagino que toda subjetividade tem a sua gota de orvalho objetivada na ação do simples ser..., Ser simples para mim se torna basicamente receber de Deus o Seu orvalho (bondade) a cada amanhecer e trazer para a minha vida pulsante do existir.
A estrutura de um relacionamento mantém-se transparente devido aos tons e contrastes que pigmentam o tecido que fora extraído da brancura do mais nobre algodão..., e assim são as vestes de quem se mantém disponível para o outro em amor..., e de quem se conserva ‘virgem’ na adoração de seu Deus!
Se o mal é capaz de derreter o coração do homem louco, o bem tem o poder de germinar o amor e trazer de volta toda a sua sensibilidade e percepção de pessoa boa que é...,
E as formas de amor e de amar variam conforme os relacionamentos!
Cada um é capaz de discernir o que ama e a quem ama...,
Ama-se a Deus...,
Ama-se a família...,
Ama-se a vida...,
Ama-se a namorada...,
Amam-se seus pais...,
Amam-se os filhos...,
Ama-se a Igreja...,
Ama-se o próximo indistintamente...,
Mas o incrível para Deus abrange também o amor ao inimigo!
Todavia, isso é a espiritualidade certa e concreta!
Este esforço de nossa parte redime as camadas mais profundas de nosso ser!
Faz com que o mundo/espírito se torne bem mais pacifico e do bem!
Este é o Bem-do-bem que a vida nos dar como fórmula para combater todo o mal que porventura esteja à mercê do destino.
Sem gestos feitos e histerias...
Contudo com os pés no chão-ação-da vida em Amor!
E sei que eu tenho que ainda aprender muito!
Mas sei que feliz é o homem que edificou a sua casa na Rocha com a sua fé e com a mão de Seu Deus...

Nele -Deus meu – Cujo espírito eu tenho aprendido,

Mano Serafim