quarta-feira, 9 de junho de 2010

Auto-poesia de Michael Jackson à luz de M. Serafim

Eu não me suporto quando vejo a minha projeção no espelho do quarto.... Sim, num desses quartos extremamente confortáveis, cujas diárias variam entre 35 a 40 mil reais...,


Não..., eu não me suporto ver envelhecendo assim..., preciso me submeter a mais uma intervenção cirúrgica: já perdi a conta de quantas plásticas fiz somente em meu rosto...,

No nariz, olhos, boca, e pescoço a baixo...,

Gostaria que o meu ‘espelho’ particular parasse um pouco de ser tão exigente com a minha imagem..., com a minha performance!

Sim, eu odeio envelhecer e fico extremamente nervoso ao término de cada cirurgia plástica. Parece que Narciso habita dentro de mim...,

O passar do tempo, a cada ano que completo, a cada natal que se passa..., a cada despedida dos 'shows', a cada compra de brinquedos..., a cada raiar de sol no rancho..., a cada escândalo que envolve a minha reputação e sexualidade fico mais velho e mais paranóico...,

“Mas, aprendi a gostar de crianças com Jesus”.

Sim, elas me ‘atraem’ para a ingenuidade e para a infante carência que envolve a minha alma...,

Pediria a Deus para que jamais envelhecesse e diante de mim fosse ofuscado o brilho de um sorriso de uma criança...,

Talvez seja por isso que passo um bom tempo com elas..., talvez seja isso que me faz parecer cada vez mais com a figura projetada em mim de Peter Pan...,

O Peter Pan era livre para voar para onde o quisesse...

Ele não estava sujeito ao tempo e ao espaço avassaladores que nos envelhece o corpo, a aparência, e que aprisiona a alma...

Vivi um poço de meio século, porém carreguei a vida inteira uma persona que jamais fosse a minha identidade..., Por isso sofri nesta existência devido aos desencontros dentro da família, e como uma celebridade para o Mundo me transformou em refém de minhas fixações...,

Não tive infância...,

Não pude escolher a minha profissão...,

Não pude me sentir gente como gente que pode se sentir gente!

Nunca-Jamais sentir o orgulho de ter o meu pai como meu herói desde a minha infância...,

Embora hoje eu não precise dele para nada e não sinto falta de suas surras que me faziam ‘cantar’ juntamente com os meus irmãos!

Sofri e chorei muito por não me sentir amado, mas usado para fazer fortuna para a minha família, apesar de eu ter gastado boa parte de meu dinheiro com bobagens e extravagâncias colossais...

Tive a sensação “de ser pai por três vezes, ainda que ‘insinuem” serem meus filhos de proveta...

Enfim... , nasci, cantei, sonhei, sofri, sobrevivi..., ‘acertei’ e não me RESOLVI.... Sabe? Aquela frustração de ter e não possuir..., de ter acertado e não ter realizado...,

É...eu pedi a Deus para morrer em Neverland e Ele não me ouviu...,

Todavia o cri que Ele me ama e me chamou antes de eu ter vivido acima de meio século, pois, Ele sabia que eu não suportaria me ver no espelho das suites do palco da vida..., cheio de rugas nos rosto, com uma muleta na mão e a minha pele encolhida!

- O meu pai viveu trinta e dois anos a mais do que o saudoso Michael Jackson.

Ele não tinha uma vida de luxo como a do Michael, e não era nenhuma celebridade.

Todavia eu pude ver que o meu velho era uma pessoa feliz e realizada mesmo não possuindo o que Michael possuiu ao longo de sua trajetória na arte de dançar e cantar para o Mundo...

O meu pai foi um servidor público (agente policial) quase que 24 horas por dia...

De certo que não viu os seus filhos crescerem..., Entretanto o conheci na sua velhice [dos sessenta até aos 82 anos] e dou glorias a Deus por isso..., Deus sabe de todas as coisas..., Já o Michael talvez não tenha conhecido o “mundo” de seu padre e morreu sem assim conhecê-lo, assim eu vejo.

Sim, o Michael viveu todos os seus ‘ infernais’ cinquenta anos de sua vida sem o amor-proteção de seu pai e com uma fissura enorme na alma...

A imagem AUSENTE de um pai numa família pode causar transtornos irreparáveis na alma dos filhos..., e quando a família é grande como a minha e do Michael, cada filho responderá de uma forma a tal trauma...,

Confesso que necessitei: confessar..., perdoar..., liberar..., pedir perdão..., ao meu velho, antes dele ter partido.

E tudo isso me custou um peso gigantesco na alma: sofri, chorei, gritei, espiritualizei, emocionei-me, me rendi e me redimi....,

Hoje eu me sinto bem mais ‘leve’ e saudável emocionalmente...,

Posto o que seria necessário fazer o fiz por amor ensinado pelo Evangelho..., Ora, se o Michael o fez, eu não o sei..., mas, acredito que ele 'o' cara que não queria ficar velho quanto ao meu ‘velho amado’(a minha particular celebridade)..., eles, os dois estão nos braços do Pai...



Nele-Jesus, que sara todas as nossas feridas da alma,

M. Serafim escrito dia 16/07/2009.