segunda-feira, 7 de junho de 2010

"Deus é pop"


Data: 17 de junho de 2009 11:02 Assunto: Revista Época publica a matéria "Deus é Pop", sobre os jovens e a religião atualmente

Revista Época publica a matéria “Deus é Pop”, sobre os jovens e a religião atualmente

Trecho da matéria da capa da revista Época do dia 12 de Junho de 2009:

Com mais de 20 tatuagens estampadas no corpo, dois piercings no nariz e um alargador de orelha, a paulistana Fernanda Soares Mariana, de 19 anos, parece estar montada para um show de rock. Apenas a Bíblia que ela carrega nos braços sugere outro destino. E Fernanda, a despeito do visual, está pronta mesmo é para encontrar Jesus. “A igreja não pode julgar. Ela tem de estar lá para transformar sua vida, e não sua aparência”, afirma. A igreja que Fernanda escolheu não a julga pelo figurino.

Numa noite de domingo, no templo da Bola de Neve Church do Rio de Janeiro, o que se vê são fiéis vestindo bermudas e camisetas com estampas de surfe. Boa parte exibe tatuagens como as de Fernanda. No altar, uma banda toca música gospel, enquanto a vocalista grita o refrão “Jesus é meu Senhor, sem Ele nada sou”. Na plateia, cerca de 300 pessoas acompanham o show em catarse, balançando fervorosamente ao som da música. A diaconisa Julia Braz, de 18 anos, sobe ao palco de cabelo escovado e roupa fashion. Põe a Bíblia sobre uma prancha de surfe no púlpito e anuncia: “O evangelismo tá bombando!”. Amém.

Cultos voltados para os jovens, como a igreja da Bola de Neve, revelam um fenômeno: mostram que o jovem brasileiro busca formas inovadoras de expressar sua religiosidade. Em 1882, o filósofo alemão Friedrich Nietzsche assinou a certidão de óbito divina com a célebre afirmativa: “Deus está morto”. Para ele, os homens não precisariam mais viver a ilusão do sobrenatural. Nietzsche não foi o único. O anacronismo da fé religiosa era uma premissa do socialismo. “A religião é o ópio do povo” está entre as frases mais conhecidas de Karl Marx. Para Sigmund Freud, a necessidade que o homem tem de religião decorreria de incapacidade de conceber um mundo sem pais – daí a invenção de um Deus.

A influência de Marx e de Freud no pensamento do século XX afastou gerações de jovens da fé. Mas a derrocada do socialismo e as críticas à psicanálise freudiana parecem ter deixado espaço para a religiosidade se manifestar, sobretudo entre os jovens. “Aquilo que muitos acreditavam que destruiria a religião – a tecnologia, a ciência, a democracia, a razão e os mercados –, tudo isso está se combinando para fazê-la ficar mais forte”, escreveram John Micklethwait e Adrian Wooldridge, ambos jornalistas da revista britânica The Economist, no livro God is back. Para os jovens, como diz o título do livro, Deus está de volta. Ou, nas palavras da diaconisa Julia, “está bombando”.

Uma pesquisa feita por um instituto alemão mostra que 95% dos brasileiros entre 18 e 29 anos se dizem religiosos e 65% afirmam ser “profundamente religiosos”

Uma pesquisa inédita do instituto alemão Bertelsmann Stifung, realizada em 21 países, revela que esse renascimento da religião está mais presente no Brasil que na maioria dos países. O estudo mostra que o jovem brasileiro é o terceiro mais religioso do mundo, atrás apenas dos nigerianos e dos guatemaltecos. Segundo a pesquisa, 95% dos brasileiros entre 18 e 29 anos se dizem religiosos e 65% afirmam que são “profundamente religiosos”. Noventa por cento afirmam acreditar em Deus.

Milhões de jovens recorrem à internet para resolver seus problemas espirituais. Na rede de computadores, a diversidade de crenças se propaga como vírus. “Na minha geração só sabia o que era budismo quem viajava para o exterior”, diz a antropóloga Regina Novaes, da Universidade de São Paulo e ex-presidente do Conselho Nacional de Juventude. “Hoje, com a internet, o jovem conversa com todo o mundo e conhece novas religiões. A internet virou um templo.” Mais talvez do que isso, ela se converteu no veículo ideal de uma religião contemporânea e desregulada, que pode ser exercida coletivamente sem sair de casa e sem submeter-se a qualquer disciplina.

Fonte: Época / Gospel+

Att,

Iuri Henrique R. de O. Cerqueira
-------------------------------------------------------------------------------

Comentário de Mano Serafim:

Vamos lá, reverberando:

"Milhões de jovens recorrem à internet para resolver seus problemas espirituais. Na rede de computadores, a diversidade de crenças se propaga como vírus. “Na minha geração só sabia o que era budismo quem viajava para o exterior”, diz a antropóloga Regina Novaes, da Universidade de São Paulo e ex-presidente do Conselho Nacional de Juventude. “Hoje, com a internet, o jovem conversa com todo o mundo e conhece novas religiões. A internet virou um templo.” Mais talvez do que isso, ela se converteu no veículo ideal de uma religião contemporânea e desregulada, que pode ser exercida coletivamente sem sair de casa e sem submeter-se a qualquer disciplina."
De fato existe uma legião de jovens doentes por/pela religião que navegam freneticamente pela net, portal adentro, nas salas de bate papo (chats) e que é uma chatice só, sítios religiosos (foros), blogs, comunidades diversificadas... e uma gama de correntes virtu-espiritualizadas[diversidade de crenças e crendices espiritualizadas]...,
Já os estereótipos da religião protestante-cristã arrebanham uma galera de "boys-metrossexuais" e de “ninfetas-fetichistas”...,
Posto que toda essa galera, desde o "lider-moderador (profeta da net)" aos irmanados crêem num Deus extremamente narcisista e que se irrita tão facilmente se não for "ovacinado" nos cultos templários cujas reuniões aparentam mais um feshion week gospel, do que mesmo uma reunião espiritual.
Ouvi falar de uma comunidade chamada de Zadoc , onde se reúnem roqueiros evangélicos ao som do heavi- metal e etc. E acho um trabalho legal, pois, tais pessoas se encontram com Cristo "numa boa" [fora a idéia de Kurt Cobain). rsrssrr! (pesquise na net).
Sinceramente, para mim não vejo nada de mal nesta história, aliás, aqui na Bahia o axé gospel tem tido êxito no mercado fonográfico...,
Principalmente quando vejo tantos jovens dentro dos templos da irmandade sem nenhuma raizinha de profundidade no Evangelho, mas ao som da massa...,
Tanta gente religiosamente doente, que sofre de esquizofrenia espiritualmente, bonequinhos, fantoches, manipuladinhos pela mídia-moderna cultural transviada..., outros são os robozinhos do Sistema ditatorial de TUDO do que se define para eles como: beleza – feiúra, benção-maldição, e o que é 'correto' e o que 'não é correto' para a vaidosa percepção deles...,
No meu tempo quando alguém chamava um outro de nerd era sinônimo de uma figura idiotamente ingênua, cometedor de gafes, desajeitado, bobinho, pateta, frouxo, introvertido, que não garrava (namorava) ninguém, não ia pra balada chapado, não tinha a sua turminha, não era uma patricinha, não fazia parte do clube do “bolinha”(meninos) ou da "luluzinha" (meninas)...,
Hoje um nerd pós-moderno é uma pessoa extrovertida, sabe o “que quer”(aparentemente), tem sua turminha, anda na moda, navega diariamente na internet, conhece vários jogos virtuais, participa de uma comunidade no orkut, passa a mão em todas as girls (fica!!!)..., anda frequentemente nas baladas, se veste na moda-da-midia travestida de emos, está conectado com o mundinho de seu reduto infante espiritualizado, deseja apenas saber o que se pode ter, ganhar e usufruir dentre os conviveres: socialmente, religiosamente e descaradamente jovial!
Ora, como não bastasse este turbilhão de influências nas universidades, grupos sociais, internet, midia-televisiva, revistas, e-mails, sites etc.
Agora nas igrejas virtuais espiritualizadas[facebook, twitter. Blogs, sites, orkut, MSN....).
Com todas as características pessoais e animalescas de seus usuários.
E se referindo a religião protestante cristã, eu nunca vi em todos os tempos, o paganismo tão presente hoje em nosso meio, ainda que massificamente virtualizado. Rsrsrsr!
Segundo o Novo Testamento, os "evangélicos modernos" são os mais pagãos de todos os tempos...,
Prova disso; são as nossas igrejas que fabricam o culto de acordo com a procura e a demanda, sem se esquecer das idéias materialistas dos mentores do SUCESSO DETERMINISTA : Carl Max e do Tio Sam, tendo como regra de conduta capitalista “A lei da oferta e da procura”!
Talvez Nietzsche, Freud, Max, Jung, Gandhi, Kierkegaard e outros pensadores tenham não razão, mas RAZÕES para pensarem e acreditarem no que se via e dos que se serviam da paganização hedionda da RELIGIÃO, dado ao sincretismo e anacronismo religioso de ontem, porquanto estes carinhas apenas “predisseram” o que HOJE se tornou práxis em nosso meio evangélico. É verdade ou não é?
Seja o ópio dimensional na visão destes pensadores existencialistas: cujas, as bengalas de Freud, o choro de Nietsche, o drama de igreja de Kierkegaard, a espiritualidade de Gandhi, o Self de Jung, e a filosofia matemática de Max...;
Foram estes os profetas de tal geração cujo obscurantismo religioso da época sobrepunha o discernimento espiritual da maioria...,
Se a religião tomasse vergonha na cara e começasse a compreender estes caras e se abrisse para: o intuir, o discernir e o vislumbrar em pró do conhecimento cientifico ao alcance de todos. Se desse chances a física quântica, a astronomia e outras vertentes de conhecimento, creia, já estaríamos a um passo de descobrimos COISA GRANDES E OCULTAS não vistas ainda...!
Ora, e você quer vê loucura dos crentes contra mim?..., é eu afirmar aqui que o rei Salomão foi um grande CIENTISTA (botânico e Teorico), é só ler Eclesiaste e descobrirá a sua percepção minusciosa das coisas...
Procure um (a) jovem hoje dentro de sua congregação e descubra que tipo de raiz, profundidade com a palavra e com o Evangelho que ela possui.
Ora, se dentre “estes jovens abordados pela fé”- você encontrar algum com qualquer tipo de raiz!
Duvide porque pode ser algum destes estereótipos virtuais!
Rsrsrsr!
Ah, quanto aos travestidos de : “nerd's”, roqueiro, rap, funk, seja qual for o estereotipo ou a aparência da figura. O que vale pra Deus é o evangelho impregnado no cerne (na carne).
Ah!, e se pairar alguma dúvida no que tange ao DOGMA-PADRÃO, ou imitação grotesca, basta dá uma olhadinha nos evangelhos e procurar por um homem que recebeu um apelido de : “beberrão e comilão” ou que “andava com pecadores e prostitutas”.
Este é O mesmo 'cara' que disse : “Vinde a mim todos”!
Claro sem generalizar, tornar genérico, ou melhor: Ter que comprar na farmácia qualquer fórmula que não coadune com os ensinamentos do Nazareno!
Posto que, este negócio em nosso meio em dizer só para o lado de fora: “Jesus te ama”.
Já se tornou tão de plástico, que o individuo já fala mecanicamente: “Jesus te amaaaaa!” E é só!.
Tem que haver profundidade e energia, pois, sem elas a Palavra é só palavra!
Mas, se houver profundidade e terra boa no coração de quem a recebe em amor, A Palavra inevitavelmente produzirá bons frutos para a eternidade de dias!
Perdoe-me hoje tô meio sem saco para prolongar o papo...,
Abraços,
Mano Serafim