terça-feira, 16 de novembro de 2010

“Abandone as redes e siga-me..." Um convite ao discernimento.

Talvez não exista nada mais difícil na vida de um homem ao ouvir tal CHAMADO e em seguida seguir sobre tais renuncias...,
Todo o aparato, energias, tronos, impérios, governos e poderes constituídos nesta vida nos mostram cada vez mais de que a Palavra de Deus prevalece ante aos tempos, estações, épocas e eras na História.
Certamente para Pedro, o chamado fazia ecoar no seu interior uma absoluta certeza de que naquele exato momento de sua existência, digo, de sua vida terrena, nada mais importaria, senão a sua nova fé que o fazia viajar para dentro de si, pois, o mundo parou diante dele...,
Algo lhe impelia interiormente e o atraía fortemente para o abandono (redes) de uma tacanha percepção quanto à vida no que tange ao seu vislumbre existencial neste Mundo, mais parecia que todo o universo conspirava a favor de Pedro para que houvesse um grande propósito que estivesse além das palavras do Mestre: "Te farei pescador de HOMENS!".
Ora, o abandonar (d)as redes de sua existência consistia em discernir a proposta do Evangelho e se lançar de cabeça no Evangelho sem pudores. Não poderia ser de qualquer maneira, não poderia haver desistência no caminho, posto que, o horizonte crescia ao passo em que a sua Fé aumentava e a graça por sua vez fazia o seu papel de lhe manter firme e forte diante do absurdo de se viver da fé em Deus...
O abandono "das nossas redes" pode nos fazer refletir acerca de qual tipo de vida porventura estaríamos vivendo...
A nossa vida prossegue uma jornada para além da vida de quem abraçou o Evangelho e colocou os pés no chão desta vida peregrina com um coração cheio do Amor e da Verdade de Cristo. E contra a verdade somente a verdade do Evangelho!
É verdade que Deus escolhe e prepara a quem chama!
Se Deus de fato o chamou, chamou. E provará com o tempo que o chamou!
Ao contrário de muitos que por aí se dizem ser chamados por Deus para liderar!
Se Deus o chama? É Deus quem garante, porém, se é o homem que se chama, ele mesmo se garanta – Basta dá uma espiadela nestes ministérios narcisistas de hoje!
Portanto, ao que Deus chama, Ele mesmo cuida-ama.
O Amor que é a energia vital da graça do Evangelho entranhado no cerne do discípulo, e que no discípulo se transforma em ATITUDES de servo, emana de Deus, e de Deus se sabe que o amor provém com a Gênesis da Vida abundante sobre, e em prol de todos que ao amor de Deus abraça!
É nesta jornada rumo a Canaã Celeste, onde o deserto das tentações e das in-certezas tenta a todo custo nos desestabilizar - Daí o fato do renunciar da própria vida do si mesmo, em amor incondicional pelos "perdidos de si mesmo".
Parafraseando:
O si mesmo que Jesus se referiu, foi ao “eu” caído, fetichizado, doente e falso!
Ele se esconde em nós e apresenta-se como se fosse o nosso verdadeiro eu, mas não o é.
Jung chegou a pensar que o espírito seria o Self, o substrato do homem em suas camadas abissais interiorizadas. Todavia, Jesus disse que não poderia!
Pois, se assim o fosse não poderia haver qualquer volição do Espírito Santo na vida do salvo!
Assim como andávamos desprovidos e destituídos da glória imanente de Deus em nosso espírito, multidões hoje estão andando neste mundo feito zumbis do si mesmo e pra além de si mesmo.
Conquanto o Evangelho nos garanta como GALARDÃO (presente eterno), a devolução de nossa própria vida r-e-d-i-m-i-d-a!
Penso que seria a revelação plena do nosso verdadeiro EU!
REDIMIR está para além de se pensar somente em restauração psicológica, biológica (psicossomática) e natural, redimir aqui se revela como TRAZER A FORMA ORIGINÁRIA em que foi criada – É Deus como Mentor de todo o processo (criação, Redenção e salvação)... Trazendo para Si, toda a criação caída, inclusive, o SI MESMO do 1º homem-Adão(alma vivente) como totalidade da perfeição do 2º Adão vivificado (Jesus), reformulando-a (a Natureza) a forma de que foi criada, e aflorando no homem nascido de novo a sua verdadeira identidade espiritual.
Como bem discerniu Paulo: “Assim está também escrito: O primeiro homem, Adão, foi feito em alma vivente; o último Adão em espírito vivificante. Mas não é primeiro o espiritual, senão o natural; depois o espiritual. O primeiro homem, da terra, é terreno; o segundo homem, o Senhor, é do céu.” – ou seja, o processo de morte de nossa natureza adâmica inicia-se nesta vida com-a-morte e neste corpo corruptível com a vida após-a- morte, entretanto, se concretizará com a imortalidade do ser recriado e com a ressurreição do corpo glorificado. Aí Paulo diz: “E, assim como trouxemos a imagem do terreno, assim traremos também a imagem do celestial.”
Ora, essas são as camadas hominais que tecem o nosso ser que pulsa enquanto vida e que crer contra a esperança de quem nada pode ver e compreender plenamente enquanto pó!
Posto que tudo que sabemos e conhecemeos é em parte de um TODO!
E em parte O vemos!
E em um TODO o Veremos assim como somos vistos por Ele pleno e totalmente!
Continue lendo!
Uma palavra muito usada para Deus em termos de criação e redenção é bara(verbo heb.). Que significa que Deus pode chamar a existência algo que jamais pré- existiu e também refazer tudo de novo como se jamais fosse violado de seu estado original, conforme a sua vontade e poder. E tal redenção hominal se culminará na cura de nosso Eu, a imagem e semelhança do EU divino – A estatura de varão perfeito em Cristo!
Veja o que diz o salmo 104.30 - “Envias o teu Espírito, e são criados, e assim renovas a face da terra”. Agora leia em Apoc. 2.17c- “Ao que vencer darei a comer do maná escondido, e dar-lhe-ei uma pedra branca, e na pedra um novo nome escrito, o qual ninguém conhece senão aquele que o recebe.”
E o que Jesus já consumou por nós, não fora apenas DITO, está FEITO para sempre!
Talvez o que nos falta é nos apropriarmos de seus beneplácitos redentores.
Visto que o querer e o efetuar emanam do Trono das Benevolências da GRAÇA, e não dos santuários templários da Irmandade dada as suas produções religiosas.
Somos sustentados pelos tentáculos invisíveis da Graça!
Prova disso é a parábola de Jesus quanto ao BOM SAMARITANO!
E por uma única razão: SERVIR!
Posto que servir no Reino de Deus seja melhor do que ser servido, e isto é a Graça possibilitando ao CHAMADO servir de graça... É de graça porque é feito pela Graça, e quem está debaixo da Graça entende e ama a Deus por Deus ser apenas o Deus que de graça abençoa a todos!
E ser espiritualmente MAIOR é saber fazer-se servo do outro que con-servo é, disse: Jesus!
Pela razão-da-fé cristianizada seria: É descendo que se sobe no Reino de Deus!
E o desafio seria – se apropriar do mesmo sentimento que Jesus obteve em relação a todos nós.
E enquanto a mim...
Ora, eu hoje falo de tudo isso é porque me sinto liberto destas perseguições do ter-que- SER sem eu ser de fato; e da falácia espiritualista de ter que servir para ser reconhecido no meio evangélico e social (entende).
Antigamente eu andava preso ás fórmulas de felicidades religiosas; ao determinismo eclesiástico; as necromancias cristianizadas; as confissões positivas; as ameaças feitas em nome de Jesus - Vivia preocupado com os JUÍZOS dos outros [quase que neurotizado], ou seja, do que poderiam falar de mim, da maneira que poderiam interpretar a minha idiossincrasia...
Enfim, eu dava mais importância para o juízo alheio do que mesmo ter uma consciência madura e temente a sondagem do Espírito na minha própia vida cristã.
Preocupava-me em agradar mais aos sacerdotes de fora do que mesmo ao meu sacerdócio empírico e espiritual.
Portanto senhores paparazzis religiosos da vida alheia creiam: eu morri e tornei a viver para o verdadeiro Evangelho!
Hoje e graças a Graça do Pai que me é dada em nome de Jesus Cristo. Posso vociferar para mim mesmo e divorciar-se do meu pensamento do passado:
A minha alma cada vez mais se emancipa destas prisões cosmo-vista e para uma conversão para o lado de fora...
Posso sentir/perceber o cheiro suave das flores e dos lírios dos campos na virtualidade do terreno do coração e na realidade que se instalou na minha alma renovado no Espírito Santo...,
Posso amar e servir a Deus sem as intermitências da culpa, e sem os surtos do medo!
Haja vista de que nos preocupamos bem mais com o que, e de que ás pessoas, os lideres, os irmãos e os descrentes irão vaticinar a nosso respeito, do que mesmo procuramos a ter uma consciência de ARREPENDIMENTO no ESPÍRITO SANTO!
Daí a tamanha importância de se deixar de viver uma vida sem vida e se entregar ao Evangelho sem a paranóia de levar sobre si todos estes valores das pessoas, do Mundo e desta natureza. Não canso de reverberar: Esta NATUREZA É CAÍDA- E mais: "vinde a mim e encontrareis descanso para as vossas almas"(Jesus Cristo).
Fato este de que o Evangelho da reconstrução de uma alma começa lá dentro do ser[como já disse acima], no recôndito secreto da habitação do ser humano feito a Imagem e a Semelhança do Criador.
Falto de qualquer prerrogativa que não advenha da PROPOSTA do Evangelho sem fronteiras neste chão da vida em amor. Fica sabido com tal discernimento de que semelhantemente e como comummente-na-mente, o fascinante ato de verdadeira humildade de Cristo ter lavado os pés de seus discípulos-servos e amigos.
Incluiu também dentre os seus conviveres da fé, o discípulo ao qual fora dado o bocado de pão encharcado no mosto.
Sim, O Judas Iscariotes que se tornou demonizado por toda a cristandade.
Ele também recebeu um CHAMADO para servir... E daí?
-- Conquanto eu hoje não mais me sinta tão culpado de não atender ao Seu chamado e de necessariamente abandonar as redes do dia-a-dia. Pois, compreendo qual seja o meu CHAMADO para servir!
Apenas descanso e sirvo no que seja útil ao Reino e aos seus súditos denominados: Eremitas!
Sou apenas um apenas diante do Todo poderoso. Mas, sei de que o Seu poder opera em mim. E da maneira de que Ele determina e o dispõe.
Sem essa de ter que executar o "IDE"- O ide só é de fato o IR-indo, se for encarado no peito cheio do Espírito Santo e de amor; com os pés calçados com o Evangelho da Paz; com a Couraça da justiça; na mão o Escudo da fé; e na cabeça o Capacete da Salvação!
Fora isso é a Síndrome do “MEU MINISTÉRIO”- e que na verdade seja: um MINI-ESTÉRIL!
O ide tem quer ser por uma simples razão: AMOR.
Sem amor eu nada seria, ou poderia até ser apenas um apenas, ou apenas uma estrela no fundo mar, porém sem o brilho de Cristo que como um cometa pode ser visto no horizonte da existência probatória aos olhos físicos dos seres planetários, e mais tarde ser estabelecido como glória vindoura nas dimensões mais longínquas da linha da eternidade.
Você conhece alguém que hoje convive com tal FOBIA. Digo do ter DE servir, mesmo sem saber que já serve a Deus. Todavia se sente um zero á esquerda porque um dia, um senhor "Alguém" lhe disse que ele deveria servi-LO de um "IDE tirânico" bem diferente do que ele discerne em sua própria consciência de servo de Cristo, ou outra forma aquém do Evangelho?
Um Mano abraço.
A.Serafim
(Escrito em 31 outubro 2009).