quinta-feira, 24 de março de 2011

O Evangelho, a Filosofia e a Cruz....


A essência da Filosofia é a procura da verdade, e não a sua posse. O Evangelho se apropria da verdade para que dela o amor seja verdadeiro no ser do individuo que ama a verdade que habita o Evangelho...,
A Filosofia, em última análise, é modus vivendi. Não é um ser absoluto, circunscrito ou determinado. Sua razão de existir está na pergunta, na procura, e não na propriedade do saber. Daí seus questionamentos serem mais importantes que as respostas, considerando que cada resposta transforma-se em novas perguntas e assim vai...,
Na Filosofia percebemos que são as perguntas que movem a vida no Universo, já no Evangelho não são as perguntas que regem a vida, mas a concepção de que sendo do Evangelho uma nova consciência se é gerada pela fé no próprio Evangelho como revelação noticiada a todos em comum. Posto que diferentemente da Filosofia, o Evangelho de Jesus Cristo corporifica a resposta que indaga o coração humano, pois, a Filosofia questiona o porquê, e o Evangelho planifica todos os desdobramentos existenciais...,
A Filosofia possui um antídoto do fanatismo, ela faz com que a Humanidade avance na busca histórica, jamais fixando moradia na terra das verdades já conquistadas!
Por isso, a consciência do filósofo está sempre insatisfeita, conflitante, inquieta, em busca contínua da verdade enquanto que no Evangelho a verdade se apresenta como o “espírito” da revelação na pessoa do Filho de Deus. Pode-se então dizer que o fanático sente-se realizado com a estreita visão de seus próprios dogmas, enquanto que na Filosofia e no Evangelho o surto seja proveniente de uma busca visceral em relação à existência quanto ao ente do vir-a-ser...,
Ora, quem venera ídolos de barro e de carne não pode filosofar e nem se santificar; quem se deixa esmagar por estátuas e pelas tiranias dos deuses- homens das religiões tornam-se semelhantes a eles, petrificam o pensar...,
Alguém deva estar perguntando a esta altura onde a Cruz se encaixa neste ensaio. Respondo, quando a erguemos na linha tênue do discernir entre o que é especulação por parte do homem e o que seja revelação em graça da vontade de Deus para o homem... E por uma única razão: Quando se põe a Cruz de Cristo entre o intuir e discernir espiritual-MENTE, se aprende a obedecer a Deus pela via do amor vívido e vivo com os pés no chão da existência -, ou seja, por Ele e para Ele seja a minha existência em vida segundo as adaptabilidades da Vida!
Quando exponho com vislumbre de glória no Evangelho o fato de ter o Cordeiro de Deus sido imolado antes da fundação do mundo, o que imediatamente me vem a mente é a vibração espiritual causada pela redenção nas entranhas daquele que crer e o que de Deus se possa conhecer como salvação.
Sim, a Cruz erigida entre a Filosofia e o Evangelho revela o Logos de Deus que se fez carne e na carne consumou em ato sacrificial, a reconciliação dos homens com Deus e de Deus com os homens!
A Filosofia pode e deve [permanecer] em busca da verdade, mas sempre irá se esbarrar num caminho sem fim, pois, a sua busca torna-se infinita quando não se reconhece que O VERDADE vos libertará, a verdade liberta o homem da cultura e o salva da sua endeusada subjetividade pagã, porém, o Evangelho espiritualiza a verdade NO CRISTO ( o verdade).
A Cruz reúne os filhos de Deus de todas as gerações a se assentarem na mesa dos pães da preposição na presença do patriarca Abraão. Ele que levou ao encontro com Melquisedeque, pão e vinho. [...]
Decerto que ao surtado pela beleza do Evangelho, nada o poderá seduzir segundo o amor ao conhecimento intelectual, ao contrário, este é totalmente cativado pela leitura que o mesmo faz do verbo de Deus entranhado na sua alma circuncisa [Paulo disse que somos circuncidados no coração por Cristo Jesus]!
Portanto, fica a sugestão: filosofar com alguém ou evangelizar alguém sem apresentá-lo a cruz torna-se impossível haver salvação, tanto da alma quanto da cultura...
Filosofia sem explanação de uma verdade, mesmo que relativa, que se acredita crer, não é Filosofia.
Evangelho sem a cruz não é  O Evangelho.
Conquanto que da cruz que se extraia a absoluta verdade do Evangelho no pensar.
Pense nisso!
Mano Serafim