segunda-feira, 22 de agosto de 2011

ÀS igrejas de Sardes, Filadélfia e Laodicéia...E a VOCÊ!



Por Mano Serafim
ÀS igrejas de Sardes, Filadélfia e Laodicéia..., E a VOCÊ!

O Apóstolo João disse: “Eu, João, que também sou vosso irmão, e companheiro na aflição, e no reino, e paciência de Jesus Cristo...”
Diante da grande perseguição de Roma que a Igreja Orgânica vinha sofrendo, João vislumbra com uma visão apocalíptica de Jesus Cristo: “Eu fui arrebatado no Espírito no dia do Senhor, e ouvi detrás de mim uma grande voz, como de trombeta”.
Todavia a Palavra de Deus revelada transforma em absolescência a letra da Escritura, visto que o próprio Jesus-Verbo de Deus é-era também o espírito da profecia...
Dai se seguem as exortações as igrejas. E aqui essas observações cristológicas são recomendadas as três igrejas: Sardes, Filadélifia e Laodicéia.
Preocupado com a postura da igreja em Sardes, o Senhor Jesus dirige uma austera afirmação de que embora pareçam vivos, estão mortos. Nos dias de João, Sardes é uma cidade rica localizada em importante rota comercial. Centro de adoração pagã, também abriga uma igreja cristã. Alguns eruditos têm a impressão de que esta carta se aplique ás igrejas de hoje que estão preocupadas em ostentar construções sofisticadas, mas às quais falta prova de vida genuína em Cristo.
Jesus encoraja os crentes fiéis em Filadélfia a suportarem com paciência. Os judeus que se opõem a sua fé cristã no momento os oprimem, mas Cristo promete que um dia essas mesmas pessoas cairão de joelhos, o reconhecerão e a seu amor.
Para a igreja reunida em Laodicéia, Jesus reserva a repreensão mais severa. Os cristãos nesta próspera cidade viviam contentes com a própria riqueza e cegos para a sua pobreza espiritual. À luz de um costume da época, de beber líquidos ou quentes ou frios, nunca mornos, Jesus transmite uma mensagem vívida: eles estão mortos e inaceitáveis aos seus olhos – Aquele cujos olhos são como chamas de fogo (Apoc.1.14)!
A riqueza de Laodicéia provinha da indústria de lã. A cidade é famosa por um traje feito de lá preta, mas seu povo se orgulha do produto errado. Precisam se vestir do branco do relacionamento certo com Deus. De modo semelhante, uma escola de medicina em Laodicéia prepara um ungüento especial para problemas dos olhos, mas o povo, na verdade, precisa é de visão espiritual.
Todos que estão cegos para as riquezas do Reino de Deus precisam abrir os olhos e se arrepender. Por amor, Jesus repreende Laodicéia e os crentes de hoje. Ele quer que nós, seu povo, caminhemos na plenitude do relacionamento com ele, enxergando pelos olhos do Senhor, não pelos nossos.
A sabedoria pergunta: Quando você tomou consciência de sua pobreza espiritual? Para onde seus olhos estavam voltados antes que vissem a Deus?
Fora Deus quem te achou ou você procurou por Ele em algum dado momento de sua vida?
Onde você se encontra agora?
Como um companheiro do Apostolo João em tudo?
Qual seria a sua motivação no momento onde se encontra?
Sangue, suor e lágrimas – agruras e lampejos de êxtases.
Fé, amor e compaixão – dores e tristeza diante de tantas injustiças.
Lucidez, graça e misericórdia – felicidade, alegria e gratidão - Ou mesmo frouxidão?!
Nele eu posso tudo, tudo segundo o Seu poder que em mim opera a mercê da sua soberana vontade, e mesmo diante do desconhecido!
Eu daria tudo para ser sempre achado reconhecido e jamais ignorado por Deus!
Ora, João viu o que viu e exultou como se o que viu fosse de imediato para a sua geração atormentadora!
Portanto, o que você poderá ver hoje em nossos dias nas entrelinhas do que João viu?
Visto que das igrejas institucionais da Ásia Menor do passado, hoje o que existe são ruínas?
Reerguer o altar interior da adoração ao Santo muda-se verticalmente toda uma profecia do que se seria uma aniquilação!

Pense nisso e santifique-se Nele ainda mais.
Mano Serafim