terça-feira, 25 de outubro de 2011

Saindo do jardim de infância...

                                                Por Mano Serafim

Ora, o amor já nasceu adulto e jamais se portou com infantilidades.
A meninice no amar é produto de quem é gente, menino e menina!
Gente-menina que aprende amar desde cedo e a trilhar pela vereda do amor amando -, logo atingirá a fase adulta do amor...,
Quem porventura esteja possesso de amor enxerga alma nas pedras que choram sozinhas no mesmo lugar...,
A síndrome de todo poeta é sugerir o amor aos outros que são desamados. Mas ele, o poeta que imagina o que seja amor, apenas sonha que um dia todos sejam perfeitos nas entrelinhas do amor...,
O amor consegue explicar tudo o que o mundo não consegue entender e revelar que o amor deveria estar em tudo, e todo o mundo deveria o saber...,
O amor ver tudo o que a gente apenas vê em parte, e em parte profetizamos porque como espelhos descobriram-nos que o mundo é doente.
E mesmo assim o amor enxerga o mundo perfeito na medida de que todas as pessoas têm o mesmo único direto - de ser felizes...,
Somente o amor entende a mim e a você do inicio ao fim – e é só o amor que tem a cura do tamanho da ferida do doente...,
Paulo disse: “O amor é sofredor, é benigno; o amor não é invejoso; o amor não trata com leviandade, não se ensoberbece. Não se porta com indecência, não busca os seus interesses, não se irrita, não suspeita mal; Não folga com a injustiça, mas folga com a verdade; Tudo sofre, tudo crê, tudo espera, tudo suporta.”
O amor sempre dispõe de atenção para quem esteja desarmado...,
Esse é o nosso mundo: o que é de mais nunca é o bastante – insatisfação!
A primeira vez sempre a última chance – ingratidão!
A insatisfação corrobora com tamanha ingratidão.
As palavras sem romancear, porém, repletas existencialmente de espírito, graça e vida de Paulo deveriam ter a priori no meio de seus conviveres da fé, na Igreja cristã – local e ambiente onde se deveria personificar o Amor entre os irmãos.
O amor une o crente ao Deus Vivo e invisível pela invisibilidade da Fé salvífica, e traduz o testemunho de um Deus de amor em obras na vida do salvo.
Mas se não existir amor nas relações humanas e mesmo que ali haja uma religião, devoção e culto a um deus - saiba que Deus ali não estará.
De fato, “O amor nunca falha; mas havendo profecias, serão aniquiladas; havendo línguas, cessarão; havendo ciência, desaparecerá”.
A lei do evangelho é o Amor e não os sinais, os milagres e as logias.
Portanto, o foco deve ser sempre o espírito da mensagem (a Palavra dada em amor) e jamais os santos milagreiros que mesmos despossuídos de amor “operam” os milagres visíveis ao mundo sedento pela verdade do amor.
O maior milagre que um ser humano pode receber é o novo nascimento em Cristo Jesus – e amor comparado a esse não haverá!
Aliás, o homem pode até possuir um amor adulto como o de Gandhi, o qual libertou seu pobre País das garras da Inglaterra sem deflagrar um tiro sequer, entretanto se este não estiver no amor de Cristo se perderá totalmente!
Assim em parte vejo pelo evangelho!
Todavia quando Aquele que é perfeito no Amor e no mais vier. Verei sem espelhos e visões embaçadas como Ele agora pode me ver e assim me amar!
Oxalá que todos vejam uma porta entreaberta, logo saiamos da meninice e saltemos para a fase adulta da espiritualidade no amor.
Deus, eu sei que deixei de ser há tempos menino no tamanho e em muitas outras coisas, porém, te peço, por favor, que me faça um ser adulto no pensamento e na tua graça!
“Renunciar ao amor parecia-me tão insensato como desinteressarmo-nos da saúde porque acreditamos na eternidade”. Simone de Beauvoir
Pense nisso,
Depois testemunhe a si mesmo.
Mano Serafim