quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Meu trauma é ser ateu...



Não me recordo de ter escrito algo sobre o nascimento do Salvador. Não me esqueço que o Salvador nasceu sem os holofotes da mídia e se foi deste Planeta sem deixar pistas...
Não me fale da sua religião, mas, por favor, me lembre para eu não insistir em falar da minha...
Pouco me importa se o Salvador nasceu em outubro ou dezembro de uma era qualquer, e o que mais me importaria se a História não tivesse seu fim histórico e revolucionário?
A história universal em forma de utopia humanista foi tingida de  vermelho carmesim, sim, é isso mesmo, ela  denuncia um divisor de águas...cria-se então um paradoxo.
Portanto não conseguimos assim negar a crença num Deus, entretanto, negamo-nos as suas obras.
Diz o ateu, ou melhor, o crente traumatizado pela sua bronca com Deus:
Não sei quem me pôs no mundo, nem o que é o mundo, nem o que eu mesmo sou. Vivo numa terrível ignorância de todas as coisas. Ignoro o que seja o meu corpo, os meus sentidos, a minha alma e até essa parte de mim que pensa o que estou dizendo agora, que reflete sobre todas as coisas e sobre si mesma, e que não conhece nem a si, nem o resto. Vejo apavorantes espaços do Universo que me rodeiam, vejo-me preso a um cantinho dessa imensa extensão, sem saber por que fui colocado neste lugar e não em outro lugar qualquer, nem por que este curto tempo de vida (sei que estou morrendo a cada dia) que me foi dado vem inserir-se neste e não em outro movimento de toda a eternidade que me precedeu e me seguirá. Não vejo por toda parte, senão infinidades em que estou encerrado como átomo e como uma sombra que dura apenas um instante e não mais se repete. Ora, tudo o que sei é que devo morrer em breve, mas o que mais ignoro é essa própria morte que não posso evitar daí o medo ser perene e ameaçador.
Assim como não sei de onde venho, também não sei para onde vou. Só sei que, ao deixar este mundo, cairei para sempre, ou no nada, ou nas mãos de um Deus irritado, sem saber qual dessas condições será a minha por toda a eternidade, Eis aí o meu estado de perplexidade existencial, cheio de fraqueza e dúvida...(que algum ateu de plantão me prove o contrário do que está supracitado não seja de fato verdade existencial)
Não precisa necessária-Mente ser um cético pra duvidar de tudo que é verdade. A verdade só é relativizada quando você acredita que seja Verdade a sua verdade, ainda que seja sua verdade, uma mentira.
“A verdade encontra-se dentro de uma área pequena e segura, mas o erro é imenso”-, escrito isso, nenhuma verdade procede de uma mentira...
E nem porque seja algo verdade para você seja de fato o correto.
Talvez, alguém me considere um insensato, mas o convite está feito:
Vamos duvidar enquanto podemos de tudo que é certo...,
Vamos colher as flores que nascerem no asfalto...,
Vamos celebrar a vida num cemitério de ossos secos...,
Rever as coisas que ficaram inacabadas.
Vamos confirmar a esperança do que já se perdeu...,
Venham, vamos navegar num mar de projeções..,
Se o nosso deus for pequeno a gente aumenta e se não existir a gente inventa.
Por favor, não me venha se desculpando de que você sendo ateu não possua seu d ‘eus. Saiba que ATEÍSMO é religião!
“É errado quando acreditas em cada um, mas também é errado quando não acreditas em ninguém.” (Sêneca).
E mais, o homem é um ser pensante.
Daí seu grande mérito e sua dignidade, considerando-se a faculdade de pensar como um canal aberto para a existência do espírito imortal. Posto que o homem faria um ESFORÇO EXISTENCIAL COLOSSAL PARA NÃO SE PENSAR EM DEUS, DO CONTRÁRIO NEGARIA TODOS OS SEUS ANSEIOS EM RELAÇÃO A MORTE E A ETERNIDADE  quanto a sua vida no imediato. Ainda que você tenha uma vida toda para empregar as suas energias espirituais e psíquicas em total  NEGAÇÃO do Deus Criador, aliás, a negação a vida inteira consiste numa religião não-reli-gada ao Deus de todas as religiões ou se opõe de forma visceral  ao Totem (risos).
E mesmo este não conhecendo de onde saiu, e o seu propósito de gravitar neste chão das relatividades de todas as crenças, descrenças e verdades com suas ambiguidades..,.
Torna-se menos complicado para alma humana complexa rever a história de um maltrapilha Galileu que nasceu num estábulo em Belém da Judéia para reconciliar o universo do homem ao Deus do Universo e seus versos...
Este deixa de ser um ateu convicto quando se identifica com o Cristo de Deus, O verdade!
Consideraria você isso um absurdo?
Mas eu não, e acho tão simples assim como absoluto!
Mano Serafim