quinta-feira, 10 de maio de 2012

Deus foi colocado para fora do Éden...



         Existe(m) Deus-es e Senhor-es sobre a Terra?
De um jardim no Éden das privações pitorescas proibitivas a uma terra que mana leite e mel, e ao furtivo dês-aparecimento de Deus...
Eles Arrazoavam entre si: “Ponhamos o senhor da vinha para fora de suas terras e trucidaremos os seus servos enviados” – essa era-e-é a voz de morte que ecoa até hoje nos corações dos homens maus e que vão de mal a pior.
Pôr a Deus para fora do seu próprio “ambiente” significaria um louco desejo por parte deles de possuírem autonomia sem nenhuma governabilidade teocrática, já que a serpente havia dito para Eva: “Certamente não morrereis!”, e mais: Porque Deus sabe que no dia em que dele comerdes se abrirão os vossos olhos, e sereis como Deus, sabendo o bem e o mal. (Gên 3:4-5).
O único poder e conhecimento que a suposta árvore do conhecimento concedeu a Adão foi o poder conhecedor de nada saber e discernir entre o bem e o mal proposto pelo Diabo nesta vida de dores...
O homem não evoluiu, mas dês-evoluiu no conhecimento sobre o amor e a graça de Seu bendito Criador!
Pelo contrário da liberdade consignada pela observância de um único mandamento – que era de não comer do fruto da árvore proibida à consciente liberdade existencial de comer dos demais frutos do jardim.O homem falhou no seu compromisso de ser leal a Deus e de permanecer desfrutando da bondade e doamor de Seu  Eterno Criador.
Visto que, somente Deus obtém o poder de saber discernir o Bem do Mal e o domínio sobre o verdadeiro Mal que mal sabemos do que de fato nos significa e como saber lidar... [...].
A metáfora de que Deus fora colocado para fora de si mesmo e visto pelos avessos da in-compreensão..., pois, o Éden mais do que um belo jardim criado por Deus para abrigar o casal “perfeito” -, significava um ambiente de paz, santidade, amor e de harmonia no próprio seio de Deus-, ou mesmo estar na presença de Deus, ou mesmo viver sob a Graça de Deus presente sobre ambos o casal!
É conforme se consegue vislumbrar pelo horizonte da fé, Deus em Deus emanando da Sua maravilhosa graça, a graça de sua própria presença de ser Deus onipresente na vida do homem e sobre toda a face da Terra!
Os arqueólogos até hoje procuram o lugar do jardim do Éden, e os cristãos se esforçam para estar no “centro da vontade Deus” como se fosse um ponto geográfico a ser alcançado neste chão!
Em Gênesis 3, depois da sua queda, o homem deixou de receber esta graça, não porque Deus deixou de ser o Deus de toda a graça, e que de graça agracia o homem. Mas porque o que Ele desejou ouvir da boca do homem, Adão, não fora ouvido – “Pai pequei contra o céu e a terra e por isso estou arrependido!” – mas não, Adão loucamente vislumbrou com o mundo de fora das "cercanias' do Éden (não porque haviam de fato cercas demarcatórias, mas na sua mente o peso esmagador de ter que conviver com "medo"  diante de Deus..., o fazia ver não mais do que isso), na visão distorcida de Adão, a Terra vista de dentro pra fora do jardim era mais extensa do que um mero jardim das restrições mentais, o que o levou a uma des-consciência de tudo que dantes ele vivia e habitava a sua pura alma - por isso que hoje o pecado guardado no interior dos demais homens faz com que se inclinem  para a morte, ou seja, a famosa grama do vizinho é mais verde do que a minha; a mulher do vizínho é mais  cobiçosa por ser mais sensual do que a minha esposa; e em nossos entremios cristãos se imagina enganosamente que, a cruz do irmão é mais leve de que a minha...
Adão pensava estar vivendo cativo, e a  ideológica “liberdade” pulsava em suas veias, e assim ele decidiu seguir o seu “ego” pródigo, entretanto, a realidade foi outra, ficara fora do jardim da presença de Deus. Adão percebeu sentida-Mente que era feliz, alegre e sobretudo, LIVRE pra ser quem era, sem necessaria-Mente nada possuir, e não sabia, porque só depois que foi expulso do Éden que o mesmo descobriu quer era livre e feliz e não sabia. Pior foi duplamente enganado (pela Serpente  e pela mulher).
A aparência das coisas e do mundo mudaram diante da percepação do casal e a mentira agora tornou-se causa de todos os efeitos negativos que uma só verdade poderia os salvar!
Seria Deus desocupando um espaço que criara para sua própria glória, mas que agora tinha sido usurpado pelo homem que acabara de formar com livre-arbítrio.
Um mundo onde Deus não pode governar é um mundo vazio existencialmente e sem o Éden..., onde a própria negação da existência de Deus é a negação absoluta de tudo. Um mundo sem Deus é um verdadeiro inferno dentro de um jardim das dês-graças morais, éticas e probas.
Um mundo sem um Deus Moral e de Amor seria um mundo destituído de tudo...
Assim jamais se poderiam dá crédito ao amor e as suas obras na vida do seres humanos; jamais haver compaixão para com os pobres e angustiados; jamais existir um desejo enorme de se fazer justiça com os injustiçados; a vida deveria estar em segundo plano; não haver perdão, as emoções não pulsar nos corações apaixonados pela vida; não haver esperança para o doente; não contar com a felicidade para cada dia do dia-a-dia por que o próprio mal se incumbiria em multiplicar o tédio na vida dos homens...Náo haveria uma consciência interiorizada de eternidade de nada...,
Adão “descobriu” que poderia viver sem a autor-idade divina sobre si. Desde o dia em que Adão dês-obedeceu ao Criador toda uma raça humana decidiu questionar a existência de um Deus de amor e todo-poderoso, e do porque que os mantiam em comum cativeiro num mundo de restrições e ingênuo como parecia!
O pior é que, quando os homens doidamente deixaram de acreditar em Deus,  começaram a acreditar em tudo!
Vivendo em busca de toda a sorte de felicidade, o homem se enveredou por um caminho para longe de Deus onde a idéia do banimento de um Deus seria a sua principal razão em não mais temê-lo. Daí então surge à hipótese de que se não existe Deus tudo é permitido, inclusive em tudo se crer...o humanismo que o diga!
E inevitavelmente passa-se a crer que também o homem seja um semi-deus!
Sois deuses” – conquanto assim  registra a Escritura para quem ela foi dirigida na época!
Ora, se a Escritura se referia aos homens que compunham a sociedade naquela demanda sócio-cultural, então, eu diria hoje acerca dos homens: “Sois Senhores” – ou seja, existem também senhores  que julgam sobre a Terra...,
No Salmo. 8.4 está escrito: Que é o homem mortal para que te lembres dele? e o filho do homem, para que o visites?
 Mais tarde, o Apostolo Paulo vai dizer que os homens “ajuizados” são os que haverão de julgar os anjos, embora - “Pois pouco menor o fizeste do que os anjos, e de glória e de honra o coroaste”...(Sl.8.5).
Penso que na sociedade dos anjos a hierarquia funciona com bastante sincronia, e não há ambiguidades existencializadas,  e nem tampouco os tais disparates ideológicos. Enquanto o que haja é uma teocracia instalada como  o reino de Deus - “Onde é feita a vontade de Deus!”
Tudo deve funcionar de acordo com a politica divina onde Jesus seja o Rei do Reino de Deus e os seres angelicais seus “ministros” labaredas de fogo!
Disse Jesus diante de um semi-deus-senhor-postestade: “ O meu reino não é deste mundo!” – de certo que para o seu "infortúnio" e "flagelo histórico", toda a História já estava Nele revelada e  encerrada. Ele é Senhor sobre toda a Terra e portanto, Senhor da História!
A História está recheada de deuses e senhores que govenaram o mundo com vara de ferro - os cesares, os neros...estes irão ter que prestar contas a Deus em juízo!
Portanto, aqui na(s) América(s) enquanto os homens exercem seus podres poderes pela representação comunista, facista e tirânica na comum politica ditadora neoliberal. O povo muito sofre e geme com seus próprios gemidos de morte sem a doce esperança de um politico salvador - "Queremos um rei,  Samuel!"...
Será que essa minha rídicula retórica trará a Deus para dentro do seu próprio ambiente/mundo/ jardim? O cristianismo tornou a Deus capitalista, mas será que o evangelho ainda tem alguma solução para o mundo? 
Eu  ainda continuo crendo que sim!
Que tenhamos um bom senso, a bem da verdade, faz tempos que Deus não dá noticias!
Nele, em quem a minha alma descansa dos surtos desta existência de morte, mas que ainda insiste, pulsa, por uma nova ressurreição de uma sã consciência em Cristo Jesus! 
Mano Serafim