segunda-feira, 5 de maio de 2014

Ninguém...


Ninguém nasce condenado, o corpo é alma e espiritualidade.
Ninguém nasce crente, a fé vem pelo ouvir a Palavra de Deus.
Ninguém nasce ateu, é quando não se dá razão sobre a sua própria absoluta razão.
Ninguém existe por apenas existir, existimos em função ímpar na existência.
Ninguém sobrevive ao suicídio do eu, o eu sobrevive as personas do ser.
Ninguém é somente um, somos três personalidades: a que temos, a que imaginamos ter e a que imitamos.
Ninguém é tão invisível que não seja percebido, o imperceptível é provocado pela mediocridade humana.
Ninguém é tão mal que não consiga ser bom, ser bom não significa que não somos maus.
Ninguém é tão autêntico que não tenha desconfiado de si mesmo, a maior certeza da identidade é quando ainda se tem por posse o ser.
Ninguém que já nasceu desejou ser um aborto, um aborto só é aborto quando quem já não poderá aborto ser, decide o ser um aborto ser.
Ninguém por si só conhece o caminho da vida, a vida traça um caminho para cada indivíduo dentro do Caminho da existência.
Ninguém sabe o caminho certo da luz, a luz nos ilumina no caminho escuro como lâmpadas em nossos pés.
Ninguém sabe o dia da sua morte, porém o dia do nascimento celebra que um dia a morte chegará.
Ninguém é tão perfeito que consiga ser o perfeito, é perfeito quem pelo menos entende que a sua humanidade seja imperfeita.
Ninguém é salvo e justificado pela sua própria bondade e justiça própria, a humanidade caída de seu estado original perfeito (sem pecados) somente será justificada, inocentada e purificada pelo sangue de um homem, Jesus de Nazaré. 
A ÚNICA JUSTIÇA DE DEUS PARA O MUNDO.

M Serafim