quarta-feira, 14 de janeiro de 2015

De quantos milagres você necessita para viver?


Quando não se poderia explicar a concepção biológica, a tratávamos como um milagre; quando não se tinham a ajuda dos microscópios, todos micro-organismos eram nossos "inimigos" extremamente furtivos.
A isso cientificamente dá-se o nome de fenômenos naturais.
Mas a gente chama de milagres mesmo, né?
Você já tentou imaginar (tem conhecimento) de quanta força e energia o nosso corpo necessita de "queimar" para nos locomovermos?
De quantos porcento utilizamos para pensar e receber inúmeras informações em nossos neurônios?
Qual a quantidade de sangue que o nosso coração bombeia por dia?
Quanta gordura, toxinas e sais minerais liberamos através da respiração no meio ambiente (expiramos gás carbônico)?
Sim, tudo isso exige um "milagre" - o milagre da vida - viver é um extraordinário milagre.
Embora saibamos por intermédio da ciência se estamos com a saúde em dia ou não, nenhum de nós por mais saudável que esteja deseje fazer uma dieta sem a ingestão de guloseimas entre um mundo imenso de doces e salgados - justamente aqueles que mais nos agradam o paladar.
Restrições, renuncias e proibições são expressões poucos aceitas em nossa cultura consumista e fast food.
Milagres acontecem. Isso vai de uma viajem as células tronco a excreção fecal dos alimentos...
Já pensou na ideia de encararmos com desprazer toda vez que precisarmos de irmos ao banheiro fazer xixi e cocô?
Mas que coisa maravilhosa e bem arquitetada somos nós, hein?!
E o dormir. Todos os dias quando dormimos, além de sermos restaurados psico-e-fisiologicamente, sonhamos.
Quem não sonha não vive - viva os seus sonhos - acorde para vivê-los.
De qual mais milagre você precisa?
De mais um hoje?
Mas qual?
O de crer?
"porque nele vivemos, e nos movemos, e existimos..." (Atos.17.28A)
M Serafim