domingo, 22 de março de 2015

Para fora...

 
Nem todos os "casulos" somam desprezíveis.
Mas no caso da Queda, os homens seguiram os mesmos passos errôneos dos anjos.
A metamorfose funcional exige abandono total da situação de como se encontra, de larva.
O que de fato poderá te condicionar ou te prender dentro de uma casa-casulo?
Rompa com as barreiras da sua mente, você consegue, acredite no seu potencial, foi Deus quem te deu...
Como vontade de potência, o homem não só é instinto, mas alma, recebe do Criador a graça do Espírito (ruach).
Metamorfosear-se-á, a alma que persistir no caminho em que pretende chegar em Cristo.
Mudanças, coisas que acontecem por dentro, que penetra o ser; se alargam na verticalidade da alma.
Deus consegue nos alcançar, seus passos vão além de nós...
É no encontro, no ato e no convívio da comunhão, que o Espírito vai nos moldando a imagem e na semelhança sagrada de Cristo.
É no acolhimento de todos, de todos com todos, sem seleções, onde Deus se faz presente em espírito e em verdade.
Há de se saber que o que mais alegra o coração de Deus, é a harmonia entre os homens.
É verdade que onde há o Espírito há liberdade.
A gaiola que nos prende nesta existência não nos acena para alguma saída ou mesmo, discernindo bem, nem todo "casulo" seja uma prisão, mas um instante habitat para a introspecção...
Diante de nós fora aberto um "portal". Uma dimensão em eixo vertical nos foi dada, é o amor do Pai sendo derramado lá da cruz...
Sim, uma cruz nos foi fincada em nosso caminho, uma alternativa de total escárnio no imediato, porém de cura por toda a eternidade.
Sim, a eternidade nos é inevitável, a porta está aberta, o primeiro a entrar por ela não tem o direito de impedir que outros também entrem e o último a entrar por ela, não tem o poder de fechá-la.
O convite é para fora...
Para fora da gaiola,
Para fora do casulo outrora um recinto fechado em conexão subjetivamente pessoal para a objetividade de ser no serviço ao próximo;
Para fora do saleiro;
Para fora da clausura religiosa;
Para fora das edificações templos-templárias;
Para fora do mundo imaginável do medo de tudo;
Para fora dos conceitos morais seletivos;
Para fora de todo lugar e habitat que porventura lutamos contra nós mesmos, afim de não abandoná-los, pois só de pensar neles, bate-nos um desespero.
Desloque-se dentro de si mesmo, ainda que do mesmo lugar você não saia, tome uma decisão agora - quando a decisão perpassa a vontade, a certeza de estar trilhando no caminho certo vem da fé!
Saia do casulo mental e existencial, experimente as transformações necessárias que o evangelho tem para nos oferecer, pois nunca se é tarde para retornar a si, retornar para casa do Pai.

M Serafim                                 20-03-15