segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Segundo os evangelhos ou segundo os evangélicos?


Sim, Deus tem sido a "alma do negócio".

É inegociável o não ensinamento de não barganhar com Deus.
É inadmissível interpretar a divindade amorfa, assexuada ou transgênera (ela é cisgênera).
É abominação não discernir a Deus como um Ser Supremo e inexoravelmente sistemático quanto punidor moral.
É loucura humana peitar a Deus em busca de respostas em detrimento da dor; da perplexidade e das aflições humanas.
É impensado atribuir a Deus enfermidades, o sofrimentos e a tão renegada pobreza.
É sinônimo de pureza o engendramento doutrinário de anos a fio sob a tutela do deus-igreja institucional manipulador e viciador de almas.
É tida como saúde mental quando o indivíduo anula-se ao máximo de si mesmo e adere a uma discípulo-imagem maximizada de seu líder, guru ou sacerdote espiritual. 
É manifesto como poder absolutamente de Deus nestes ambientes - a figura do pastor ungido - onde se é proibido pensar, questionar e discordar da proposta do Ministério tal.
São aceitas todas as formas de negociatas com o dinheiro melado de suor do próximo quando a causa tem raiz no chamado profético de fulano (dá,dá, dá e dá o tudo de si e o que no bolso tiver para si, sem ao menos pensar em si).
É salutar para os que creem em estado letárgico da razão que quanto mais acéfalo for, mais Deus usa com poder espiritual.
É ensinado em tais convívios emaranhado de gente que iníquo é todo aquele que não aderiu a religião cristã como discípulo do Sistema Religioso.
É assombroso o estado emocional e psíquico que muitos destes indivíduos são jogados e abandonados nos manicômios do Brasil (pesquise).
Será que não existe nenhum ambiente em comunidade que se salve saudavelmente?
Claro que há, em tudo existem exceções, embora, contados a dedo...
Mas na maioria esmagadora, Deus tem sido a moeda de comércio tanto para a vida como para a morte de muitos em tais instituições que levam o nome de igrejas. 
Por favor, pare um pouco com essa paranoia e reflita sobre você mesmo (a) dando uma chance a si.
Descubra lendo e discernindo nos evangelhos o que de verdade Jesus exige de você.
E se exige, exige que se amem uns aos outros, sem exceção.
O que ele deixa claro é que você o ame amando e respeitando o ser humano.
É aí que estão postos: a Lei, os profetas e o evangelho.

M Serafim