terça-feira, 2 de março de 2010

Evangelizar? Como?!

De: Jaira


Para: alfredoanjoserafim@ig.com.br

Assunto:Evangelizar? Como?!



Reflexões

Hoje fui chamado por um amigo meu, líder de uma mocidade assembleiana, para ajudá-lo a projetar e pôr em prática o evangelismo em sua Igreja. O convite foi aceito, claro; eu não me nego ao chamado do evangelho. Vou discipular e formar novos evangelistas em sua Igreja e apoiá-los no necessário em cultos ao ar livre e no cuidado com os membros da Igreja.

Pensar no projeto, nas etapas a serem galgadas é sempre muito bom e me faz refletir nas diferentes facetas do evangelismo. Por quê? Simples. Quando você pensa em evangelismo, a primeira coisa que lhe vem à cabeça é um missionário no Zimbabauê ou em um irmãozinho de terno e gravata pregando no meio da praça em cima de um caixote de tomate. Evangelismo também é isso, mas não somente isso.

O evangelizar vai muito além da falácia, do distribuir folhetos, do pregar em hospitais. O evangelismo, na verdade, começa em coisas muito mais simples como uma atitude, um gesto; o evangelismo começa na sua vida.

Um famoso teólogo uma vez disse: “Evangelize sempre. Se possível com palavras.” Não importa se você tem a oportunidade ou não de entregar folheto ou de falar do amor de Deus no trabalho, ou na escola. Cuide para que você seja o próprio folheto, o referencial da Palavra do Senhor. Difícil? Não, não é. Basta agir com dignidade, com o amor que dizemos sentir pelo irmão, com a humildade que dizemos provir do Senhor.

Se nós viermos a pôr em prática atitudes como essas, estaremos evangelizando não somente uma praça ou um hospital, mas todo o lugar por onde passarmos será contaminado pela palavra do Senhor, de maneira prática.

Da próxima vez que disser consigo mesmo: “Não tenho tempo nem jeito para evangelizar”, lembre-se que não é necessário um terno ou um púlpito para evangelizar. Basta amor ao próximo…

Anônimo

........................................................................

Resposta:


Na minha leitura condicionada de discípulo...Vejo-me:
Imerso por um lampejo de êxtase visionário ante ao Deus impenetrável e insondável.
O que interpreto como uma missão cuja espontaneidade provenha de mim mesmo em resposta ao Seu amor expresso na cruz.
É o que constituo como co-missão dAquele que é Imano e que emana diretamente para mim como um fluxo de bênçãos magnificentes quanto ao seu teor espiritualizado, sendo assim, o tendo como minha única referência no que e do que fazer, e de fato assim vem sendo no meu dia-a-dia, me atrevo decodificar a linguagem espiritual do: "Ide (vão se assim entenderem)anunciem o Evangelho e façam novos discípulos!"
Concordo que me conturba a alma diante da expressão em negrito supracitada no imperativo – A qual não emite de fato uma ordem/desafio a ser cumprido por nós que cremos no Evangelho?
Conquanto que a proposta feita por Jesus a quem O siga seja executada simplesmente em e por amor a...
Conheço muita gente fina- de- Deus que recebeu tal "missão" como um peso esmagador sobre os ombros da consciência, ou seja, sentem-se culpadas se não anunciarem a qualquer preço ou de qualquer forma o Evangelho. Ainda que não queiram...
É daí de onde nascem as neuroses dadas às imposições da religião, uma psicose básica se instala na alma de um filho de Deus.
O erro começa em se formar discípulos de homens e não de CRISTO!
E o que hoje se vê nas igrejas é uma multidão de cristãos do SUPEREGO!
Certa vez Paulo desafiou aos crentes a olharem para o seu exemplo  e o seguissem como discípulo de Cristo – “sejam meus imitadores como eu sou de Cristo”. E Paulo disse o que disse por que naquela época não havia ainda Os evangelhos escritos como a Palavra de Deus que regenera a alma de seus discípulos...
E em outra Escritura Paulo disse que se colocava em intercessão intimamente afim de que Cristo pudesse ser gerado/formado no interior dos crentes efésios...
E o que acontece quando a motivação é o medo e o serviço advém da culpa que o individuo carrega dentro de si e parte para evangelizar o próximo?
O medo toma o lugar do temor a Deus em sabedoria, a legalidade religiosa rouba a manifestação da Graça e a satisfação de sentir-se livre e amado por Deus incondicionalmente, a fim de que seja simplesmente uma decisão unilateral nossa, que escolheu o caminho do amor e não os atalhos do medo...
Jesus disse que os seus verdadeiros discípulos permaneceriam na sua Palavra e no seu amor [amor do Pai].
Seria da pretensão de Deus nutrir um relacionamento tirânico e fóbico para conosco [legalidade] somente para que pudéssemos obedecer-lho ou servi-Lo?
O que tenho percebido na caminhada cristã é que se é possível obedecer a Deus mesmo não o amando segundo "ordena" o 1º e maior mandamento do amor. Certamente ignoramos tal atitude egoísta do nosso coração ferindo desta maneira a LEI do AMOR.
Todavia um aspecto relevante é permanecer recíproco ao Seu chamado misericordioso de amor. Daí, creia, torna-se inevitável para nós seus discípulos não permanecermos obedientes a Sua palavra.
Posto que seja possível obedecer a Deus por questão de medo e de perdas, embora este comportamento gere um legalismo e não amor relacional, porém só é possível relacionar-se com Deus tendo como principio imutável o amor, o amor é o Motor da Criação, a válvula da perfeição e o combustível da Graça!
Quando há a verdadeira presença espiritual do amor de Deus na vida do crente todo medo é banido, inclusive o medo de pregar o Evangelho ao Mundo!
Quando o Evangelho de Jesus Cristo penetra na alma de uma pessoa, novidades e certezas se instalam no interior do ser de maneira que jamais se apagam... Sim, quando a gente recebe esta "patada da graça" de Deus no coração, valores e verdades se estabelecem em nosso ser e daí pra frente quem passa a nos guiar  de maneira impulsiva é o amor compulsivo de Deus derramado em nossos corações através do Espírito santo (Rm.5.5).
Então a primeira coisa que muda em nós é o nosso míope OLHAR!
Passamos a compreender verdadeiramente a mente de Deus em Cristo pelo espírito da Palavra...
Passamos a enxergar o que jamais poderíamos ver dantes com o estado de morbidez espiritual, i.e., porque andávamos alienados totalmente de Deus e servindo aos deuses do nosso ego e da religião que dita suas fórmulas adorativas.
Recebemos frontalmente do Evangelho uma nova consciência espiritual, e o que passa a ser relevante e essencial são estar no Evangelho, pertencer ao Evangelho e não poder ir além do Evangelho!
Evangelho é acima de tudo uma vivência em amor prático dado as atitudes e ações que se convergem ao próximo como alvo a ser acertado na coordenação do Espírito...
Afirmo com tal convicção tudo isso devido à manifestação da Bondade de Deus em relação a toda humanidade, aliás, eu sou  apenas um receptor de tudo isso!
A salvação pertence a todos.
Ora,
Eu sei que o meu peito um dia estará repleto de cabelos brancos, porém cheio do Espírito Santo;
Eu sei que a cada vez que acordo o sonho da eternidade se torna mais real para mim;
Eu sei que a cada instante de minha vida de fé sinto o mover das muitas águas em meu ventre;
Eu sei que a cada manhã tenho que matar um leão, pois, o desejo de servir a Deus nesta vida é cada vez maior;
Eu sei que a cada tempo os meus olhos se abrem e vislumbram diante dos vetores da existência e dos pontos de tamanha dimensão espiritual concedida pela manifestação da Sua maravilhosa GRAÇA;
Eu sei que a cada instante que se passa e amo-O visceralmente sou amado com o Seu amor Visceral;
Eu sei que o amor que tenho por Ele não é nada comparado com o amor que Ele tem por mim;
Eu sei que o Seu conhecimento engendrado em mim torna-me com Ele uma indivisível pessoa;
Eu sei que sou Dele e Ele é meu;
Eu sei que vou andando pelo Mundo e em vento e vento sou guiado pelo vento de Seu Espírito;
Eu sei no que me cabe do peso de seu jugo sobre mim no anunciar as Boas Novas do Reino, e sei que o seu jugo é suave e o seu fardo é leve...,
Eu sei em Quem tenho crido e o Seu Espírito testifica em mim de que sou Seu servo/mano/amigo.
Enfim,
Eu presumo que sei de muita coisa ou do que deveria basicamente saber.
Mas, descanso na certeza de que tudo que faço ou deixo de fazer em pura liberdade de consciência proveniente do Seu amor, vivo sem a neurose esmagadora que muitos crentes neuróticos vivem [eu não sei quanto a você, mas pessoas vêm até a mim com tais aflições impostas por seus lideres]. Posto que os mesmo ainda não experimentassem do amor libertador de Deus. Cujo principio espiritual é DADO àqueles que de maneira UNILATERAL e prática resolveram negar a SI MESMO e sendo SI MESMO. O único surto que pode ocorrer é no AMOR. E quem já VIVE neste amor percebe que no Amor do Pai obtemos tais opções: de fazer ou não fazer; de dar ou não dar; de ir ou deixar de ir...
E quanto a tudo isso creio de que seja uma simples questão de escolha, no mais, se restringe a uma questão de livre-direito minha ...
Portanto, mano (a) vá se assim entende, e propague o Evangelho do Amor de Deus sem partidarismo!



Mano Serafim............. 21/04/2009