sexta-feira, 9 de outubro de 2015

Consciência no Evangelho



Quando o homem entende e crê no puro e simples evangelho da Graça de Jesus Cristo, o mesmo deixa de ver a sua salvação como fruto de seus esforços pelas suas "boas obras"...
Aí meu caro amigo, toda filosofia religiosa seja qual for ela, se dissolve.
Ele começa a entender que, as suas obras de caridade não o justificam jamais diante de Deus, pois, a justiça de Deus tem nome :Jesus!
Posto que, não seja pelas suas obras meritórias que a Graça de Deus vem ao seu encontro, pelo contrário de tudo isso que se pensava meritoria-mente, ela vem ao seu encontro quando se discerne no espírito e no coração que não mercemos nada e assim entendemos que não há nada em nós que poderá ser maior do que foi feito por Jesus na cruz e por nós.
Tal realidade acontece quando nos divorciamos de todas as nossas próprias justiças diante do Pai...
Daí, a prática da "caridade obrigatória" deixará de ser-nos um peso existencial e que só fazia aumentar o sentimento de culpa em nós - o famigerado descarrego de consciência, ou em última análise, o nosso egoísmo é tão egoísta que o auge de estarmos possuídos do nosso próprio egoísmo desejamos ajudar.
Porque é justamente quando se apropria da Graça do Evangelho na vida em amor crístico que caminhamos em liberdade de vida, liberdade em ser, liberdade de ser livre para amar o próximo com toda coragem da fé e sem as cangas das religiões e dos carmas das obras da salvação meritória!
Saiba que é tudo presente de Deus, Jesus já pagou o preço.
E o amor verdadeiro que emana de Cristo em nós, faz com que as nossas predileções para com o nosso próximo desapareçam.
Pense nisso!
M Serafim