domingo, 13 de dezembro de 2009

Provérbios...


Meu querido (a) e amado (a) irmão (a) em Cristo Jesus! Paz seja contigo! Eu venho pedir a vossa senhoria que me esclareça este texto da palavra de Deus. Como diz o nosso ilustre Bispo Manoel Pedro, (veja bem!), não é pra deixar margens de dúvidas. Provérbios 20:30, diz o seguinte: " Os vergões das feridas são a purificação dos maus, como também as pancadas que penetram até o mais íntimo do ventre", a outra tradução que é da igreja católica (que segundo os grandes pregadores, são as melhores traduções), chega a afirmar que, as feridas e as pancadas purificam a alma. Dá a entender que na paixão de Cristo, quando aquelas pessoas se cortam, fugetam o mal do seu corpo. Eu não estou afirmando nada, mas quero que alguém me traduza Provérbios 20:30. E não venham com conversa fiada para eu não me tornar um católico fervoroso. (rsrsrsrsrs).

Marcos A. dos Santos. Rodrigues
----------------------------------------------------

Resposta de Mano Serafim:


A maioria dos conselhos de Provérbios tem a forma de um enunciado único, breve e contundente, de forma que o livro requer um tipo de leitura diverso dos outros da Bíblia.É difícil avançar por vários capítulos de uma só vez. Ainda que você caro leitor o leia em apenas em uma hora ininterrupta!Ora, o que percebo lendo o Livro de Provérbios, é que o seu conteúdo foi feito para ser consumido em pequenas doses, para ser saboreado/degustando-o, para ser digerido/discernindo-o..., ou seja, para ser absorvido pouco a pouco...,É preciso entender que muitos provérbios [ensinamentos] são escritos em um estilo denominado de “paralelismo”, palavra que descreve a tendência da poesia hebraica de repetir um mesmo pensamento de modo pouco diferente. Assim, no “paralelismo por sinonímia”, a segunda metade do enunciado enfatiza e embeleza a mensagem contida na primeira metade (ver o vers.10 e o vers.23).Já no “paralelismo antítese”, um pensamento é seguido de seu OPOSTO. Em ambos os casos, o truque está em se comparar cada sentença com seu par na outra metade do provérbio. Por exemplo, em Pv.10.4,“mãos diligentes” fazem par com seu oposto, “mãos preguiçosas”, e “trazem riqueza” é o oposto de “empobrecem o homem”.Às vezes, essas comparações revelam nuances sutis de significado...,Acredito que seja bem mais auspicioso procurar entender o que o autor de Provérbios pretendeu deixar como uma coisa bem clara.A sabedoria que ele está transmitindo neste adágio (como é visto em todo o livro de Provérbios) não pode ser reduzida a uma série de regras do tipo “não faça isso; não faça aquilo”. Não existem fórmulas para uma “sabedoria instantânea”; a verdadeira sabedoria demanda uma busca que deve durar a vida inteira. O prêmio, contudo, recompensará qualquer sacrifício. Mesmo que, para isso, você “use tudo o que [...] possui”. Se não der com as mãos use os seus pés (Rsrsrsr!).Enquanto o autor estabelece o contraste entre a “vereda do justo” e “o caminho dos ímpios” (particular percepção)- mesmo estando escrito na Bíblia e tendo autoria do sábio Salomão, não se pode crer como se tudo ali escrito fosse verdade absoluta, e não se pode deixar de imaginar como Salomão se sairia se suas atitudes fossem coerentes com seus conselhos. Conquanto por assim estiver registrada na Palavra de Deus não significa exatamente que tenha saído da BOCA DE DEUS. Porém agora, para Salomão está acabando o seu tempo (velhice), é o que se pode imaginar..., só lhe resta transmitir essa sabedoria adquirida a duras penas ás gerações futuras. E então a nossa geração!Imagine o Rei Salomão já idoso e com cabelos brancos sentado em sua escrivaninha rascunhando os seus poemas e provérbios-ditames para quem precisa de uma boa receita a uma vivência debaixo do sol..., e como a maioria dos cristãos que IDOLATRAM a Bíblia, e a interpretam ao pé da letra, mas se esquecem da mensagem de cada Livro e texto, desprezando assim o espírito da Palavra transmitido como revelação pessoal ao espírito de quem a ler. Daí que nasce a força mortal e implacável da letra.O erro que ocorre é exatamente apontar para o versículo de Pv.20.30 e tentar tecer algum comentário de algo que jamais experimentou na sua própria vida, ou já experimentou de tal forma..., e daí PADRONIZAR para cada um como regra...a despeito do próprio Salomão que escreveu algo que jamais soube discernir de fato o que acontecia debaixo do céu –“Os vergões das feridas são a purificação dos maus, como também as pancadas que penetram até o mais íntimo do ventre.”Penso que seria mais conveniente a opinião de Jó acerca do sofrimento humano como processo de ‘CURA’ da alma rumo ao DESCONHECIDO INDECIFRAVEL(pensamento religioso).E o próprio Jó constatou de que nem sempre os BONS são coroados com a JUSTIÇA e a BONDADE..., e ele mesmo presenciou o antagonismo de coisas debaixo do Sol da IN-justiça..., tais quais, que testemunhou homens que procediam impiamente e que conseguiram se esquivar de todas as catástrofes e sofrimentos [aproveite e contextualize para nossa atual geração] da vida e que só irão dá contas por suas más obras, na eternidade diante do juízo Todo Poderoso!Eu particularmente não acredito que o homem para se converter a DEUS necessite sofrer, padecer ou experimentar a dor..., Se fosse assim Judas Iscariotes teria se CONVERTIDO a verdade ainda em vida, e o Rico da ‘parábola’ (Lc.16.19-31) de Jesus se ARREPENDERIA no Hades depois de morto, e ambos não se arrependeram e nem se converteram de suas maldades!Apenas percebo que em face do sofrimento o homem de alguma forma reflita melhor acerca de sua justiça própria e sobre a eternidade que já fora colocada em seu coração. Portanto, em minha opinião, Salomão escreveu muita coisa do que IMAGINOU e intuiu sobre a vida verificável, embora tenha vivido de maneira intensa muita coisa que assim escreveu por possuir tamanha sabedoria dada por Deus, como: Cantares e centenas de provérbios apreciados e seguidos por reis do Mundo antigo (rainha de Sabá). Mas Salomão confessou e ele mesmo chegou a uma conclusão na vida: “Tudo debaixo do sol era apenas VAIDADE...Como diz Paulo, a Lei de Deus é tão boa quanto absurda. Boa porque é imutável e perfeita, e, assim, não deve ser relativizada jamais. Mas absurda também, porque coexiste em um mundo não-ideal (caído), habitado por gente não-ideal (ainda que muitos remidos, também caídos), que na sua própria limitação, por isso mesmo SOFREM.Portanto, no Evangelho, somos chamados à outra justiça, não simplesmente como “recitadores da Lei (ditames de uma vida RETA)”. Porque em Cristo, a Lei de Deus é o amor. Em Cristo, a Lei de Deus é a paciência. Em Cristo, a Lei de Deus é a misericórdia e o acolhimento!Agora, se for um desejo seu de se tornar um ‘mártir’ toda vez que se comemora religiosamente a sexta-feira santa?Receba “a desgraça que se contrapõe diante do milagre da Graça, e que jamais nos CONVERTERÁ a um tolo movido de autocomiseração e flagelo neurótico”...E sabe porque tal "fenômeno" bestial impele este povo desvairado a reagir assim diante do Místico deificado pelas religiões?É justamente porque para eles a JUSTIÇA de Deus, Jesus Cristo, não é suficiente para os salvar de suas CULPAS e MEDOS!

É só,

Mano