sexta-feira, 30 de julho de 2010

“É-me dado todo o poder no céu e na terra”. (Mateus 28:18)

Apesar de tanta informação e tantas oportunidades, ainda estou tentando compreender Jesus. Há anos caminho com ele; mesmo assim, percebi que mal arranhei a superfície do conhecimento desse Salvador que chamo de meu. “Minhas ovelhas me conhecem”, Jesus disse. Sei que não poderia viver sem ele. Sei que ele me transformou e a tudo que faz parte da minha vida. E sei que preciso continuar caminhando e aprendendo para conhecê-lo melhor.
Por outro lado, sinto-me ainda impressionado com o seu jeito de ser. Eu sei que ele possui todo o poder, e por saber disso, é que me fascino a cada dia com a sua vida.
Sim, como poderia ele obter tanto poder e autoridade e ainda assim ser tão humilde, simples e sereno. Em minha opinião, Jesus contrariou todas as perspectivas em relação a humanidade ferida. Ele reconciliou todos os pontos relacionais entre Deus e a criatura.
A sua simplicidade esmaga a minha compreensão racional, cuja razão lógica de minha mente, tenta pôr em pé de igualdade a sua humanidade nivelando-a ao caráter dos demais homens. Ele demonstrou valores insuperáveis, quando trilhou um caminho diferente do nosso, posto que, quando injuriado e injustiçado, reagiu sem indiferença, mas com perdão, sabedoria e amor diante de seus opositores.
A minha definição de justiça se esfacela ante a sua equidade e manifestações de graça.
Em Jesus, o poder é soberano, todavia, quando é deliberado para a faculdade de exercer autoridade, mesmo que haja e obtenha o domínio de tudo, porém, e jamais inserido num contexto manipulador.
Ora, o desejo canino do homem manipular o seu semelhante, revela a condição caída que o homem hoje se encontra. O poder dado, ou o revestimento de poder sobre uma pessoa que esteja desprovida de equilíbrio e obediência, pode transformá-lo em um megalomaníaco galopante, cujos ideais equivocados, o alienem do propósito de Deus sobre a governabilidade de um grupo, povo e nação.
“É-me dado todo o poder no céu e na terra”, disse Jesus. Ele está falando de autoridade espiritual, autoridade moral e autoridade sobre o mundo físico (Comos).
Jesus operou em todas as vertentes de/do poder, embora, se mantivesse longe do status quo, distante dos holofotes da fama e do sucesso midiático. Tudo isso pode ser visto no espírito de que o fazia, um homem respeitado diante do povo e temido pelas autoridades judaico-religiosas da época.
Ora, e diante dos olhos de seus discípulos - O que os discípulos pensavam a respeito dele? Apesar de receberem maior atenção, os discípulos mais próximos de Jesus, os doze, não se distinguem muito dos demais – para dizer o mínimo. “Será que vocês também não conseguem entender?”, Jesus pergunta em determinado momento. Mais tarde, exasperado, suspira: “Até quando terei que suportá-los?”.
Mas, por quê?
Porque eles seriam incapazes de discernir a que espírito Jesus pertencia, prova disso, no evangelho de Marcos no cap.9, em um único capítulo. Vemos os discípulos tentando realizar uma cura sem muito jeito, interpretando erradas as alusões de Jesus à própria morte e ressurreição, lá estavam eles, brigando por status e tentando acabar com o trabalho de outro discípulo...,
É evidente, portanto, que há muita coisa na missão de Jesus que eles ainda não compreendiam.
E lhe disseram: Com que autoridade fazes tu estas coisas? ou quem te deu tal autoridade para fazer estas coisas?”( Marcos 11:28). O que vemos aqui é o poder em forma de autoridade sobre os homens, a ponto deles se sentirem constrangidos com a sabedoria e a ousadia espiritual de Jesus. Diferente do ensino dos fariseus e dos doutores da Lei.
Hoje ás coisas não mudaram muito, os homens buscam o poder, um poder centralizador que não corresponde com a glória de Jesus de Nazaré, porém, sujeitos ao mesmo erro de Lúcifer.
Porque o maior motivo desta busca incessante seja por uma única razão humana: ter o poder de coletivizar a sua individuação (pensamento ideológico) e tirania na vida do próximo, como um ÚNICO paradigma universal que molda a percepção, a individuação, e consciência de uma massa...,
Daí se forma o CONSCIENTE COLETIVO, cujo arquétipo formado  na subjetividade de um LÍDER se intitula como: “Minha visão ou o meu MINISTÉRIO”. E o cara fala isso numa arrogância enorme.
Um surto, dado, a uma sutileza epidêmica sendo instalada no cerne coletivo, como forma de “auto-toridade” de maneira que, na consciência alheia seja gradativa-Mente engendrada como a síndrome luciferiana de tais lideres – fixando-se assim, nas camadas do poder social; do poder político; do poder econômico e do poder religioso.
Insensato, diz a Bíblia é todo aquele que almeja o poder pela questão do/de poder – coisa difícil é ser uma autoridade revestida de poder sobre determinada demanda que exige excelência em administrar tal poderio...,
Na verdade, quem bem soubesse o que é ter autoridade, e dela fazer o uso correto sem fazer in-justiças com alguém, jamais a desejaria. Posto que, o poder que Poder é, não se vê e não se pega com
as maõs da imposição ou  faz uso da violência física como intelectual...
Aquele que tem poder, pouco se revela como quem poder possui, embora, ele tenha o poder de construir como o poder de destruir[Jesus poderia invocar 12 legiões de anjos para o socorrer], ele age sempre como quem poder não tenha [depende apenas da justiça e da Graça de Deus].
Sim, apesar dEle ter poder para agir conforme a lógica e a razão que se abraça com a circunstância, ele age com misericordia e sensatez fazendo pouco juízo do poder que possui.
Já disseram que, se quisermos de fato conhecer alguém, bastasse delegar uma forma de poder para ele, em pouco tempo revestido de autoridade, ele se revelaria a pessoa que é...
Quem deseja autoridade está buscando autonomia em algum campo de relacionamentos.
Quem tem o juízo no lugar não busca ter poder para exercer autoridade sobre coisa nenhuma.
Quando se pensa ou interpreta que alguém possua autoridade, se faz necessário conhecer de onde vem a sua autoridade constituída, constituída de quem para quem, ou de quem sobre quem, a menos que o poder não seja corruptor – e se tratando de gente, seja muito difícil não ser...[...].
Jesus todo ensangüentado olhou fixamente nos olhos do governador Pilatos e disse: “Nenhum poder terias contra mim, se de cima não te fosse dado; mas aquele que me entregou a ti maior pecado tem.”(Jo.19.11).
Jesus mesmo sendo esmagado pela dor e pela humilhação de ser um inocente a caminho da execução, não perdeu o equilibrio emocional, e com a autoridade de um Rei, testemunhou de que tal autoridade decorria  do poder de seu Pai. Fazia com que a História ( a Escritura a seu respeito) novamente se cumprisse com a sua paixão e logo-logo culminando, com a sua ressurreição dentre os mortos.
Daí o fato de quem realmente detém TODO o poder no Céu e na Terra – Ele passa a ser dentro da História, alguém que é Senhor e Salvador dos vivos e dos mortos, não que ele não o fosse, mas agora se concreta como potestade constituida por Deus em todos os tempos, desde já, dentro do tempo e o espaço(Cronos) e fora da História (Eternidade).
Então, ele afirma o seu poder divino tendo autoridade em si mesmo –“Chamou a si os doze, e começou a enviá-los a dois e dois, e deu-lhes poder sobre os espíritos imundos;”(Mc.6.7) - Cristo é Poder!
É sabido que nesta empreitada há muita gente “louca” perdida no Caminho em busca do(pelo) poder de ser, pois, trocaram a autoridade legal do Evangelho pelo AUTORITARISMO doido e varrido  - o despotismo pagão e letal á consciência do discípulo fazendo-o objeto de suas tiranias.
Por outro lado, o discípulo de Jesus se preocupa apenas em servir ao seu Senhor sem barganhas pessoais, mas pela mordomia cristã. O que almeja o veradeiro homem de Deus, não é a posição social, eclesiastica e ministerial, mas, a mesma autoridade dos verdadeiros apostolos (Igreja primitiva) de Cristo, que pelo Senhor de todo o poder e de toda glória, já havia INS-CRI(s)TO com tamanha autoridade, os seus nomes no Livro da Vida do Cordeiro. Amém!
E nesta mesma toada segue o Evangelho do Nazareno até os dias de hoje - Ninguém tem qualquer autoridade para mudá-lo!
E a você que me ler, eu sugiro - você que  crer que de Deus recebeu alguma autoridade, exerça-a sem fazer o uso de força manipuladora contra  o seu semelhante, apenas, seja um canal do poder de Deus na vida de seu próximo!
Me faltaria tempo para falar de poder e autoridade sobre a vida de:
Natã, Samuel, Davi, Daniel, Elias, Jeremias, Isaias, Ezequiel, Joel, Oséias, Zacarias, João Batista, Pedro, João, Tiago, Paulo, Silas, Apolo, Timoteo, João Marcos...
E outros...,
Uma oração:
Senhor, ainda que tu me dê autoridade sobre os demônios, eu te pediria que me concedas uma autoridade sobre mim mesmo e para ser líder primeiramente, de mim mesmo, afim de não me tornar subserviente de minha ideologia e das ideologias de outros, nem tampouco um tirano do pensar exercendo autoridade sobre outros tantos - não me deixes cair na tentação de ser espiritualmente enganado pelo sistema que nos consome a alma. Amém.
Você deseja autoridade?
Pense nisso!
Mano Serafim 30/07/10