quinta-feira, 22 de julho de 2010

Sem essa de tiranias...


Nestes dias conversando com uma irmã minha, observei que algo em seu rosto havia mudado, entretanto, na primeira vista eu não pude captar qual era a real mudança em seu visual facial...,
Só depois que fitei firmemente os olhos nas suas sobrancelhas que identifiquei qual foi à mudança..., ela havia feito uma ‘depilação’ e em seguida feito sobrancelhas definitivas..., algo que jamais vi algum centro de estética feminina realizar numa mulher. (rsrsrs!)

Então a perguntei: Que nova técnica é essa..., você acha que lhe caiu bem??

- Não que eu tenha alguma coisa contra quem deseja estar cada vez mais bonita e de bem consigo mesma, e mais, ela já  é bonita e formosa de nascença!

Então,

Ela respondeu: “está na mooooda!”, ou seja: ta todo mundo usando...

Porém, todavia, conquanto, portanto, mas..., (Rsrssrs), e o interessante é que ela não respondeu a minha pergunta – semelhante ao professor/pastor de psicologia quando lhe fiz uma pergunta na sala de aula acerca de que ‘cada pessoa demanda uma psicologia diferente’..., e o porquê de tantas fórmulas no coletivo pessoal dos evangélicos?(quem lê entenda)...

Ora, a minha pergunta básica neste artigo é: Quem nesta existência não vive / viveu debaixo das tiranias deste Mundo em seu própio existir?

Sempre me faço uma mesma pergunta: Para onde eu estou caminhado agora?

Todos nós de uma forma ou de outra vivemos debaixo de tiranias, e isto implica no que comemos [alguém diz o que parece ser bom para a nossa saúde e o corpo]...; no que vestimos [a moda midiatica dita às tendências do momento]...; no que pensamos [vivemos numa neurose brutal, cujo tempo inteiro pensamos nas coisas que as pessoas pensam e interpretam a nosso respeito]...; no que e em quem cremos [haverá sempre alguém querendo ser o seu mentor espiritual e apontando a doutrina com cara-de-deus pra você se agarrar]..., do que nos dizem do que seja importante e quando nos insinuam o que seja desimportante para cada um de nós..., no que nos ensinam sobre felicidade (pré-conceitos bizarros), sobre a sabedoria..., Os ditames-ditatoriais de "o bom viver" (como: ser 'excelentes' pais, filho, marido, esposa, irmão, vizinho, cidadão...).

Eu poderia aqui indefinidamente tentar definir todos os aparatos humanos e falíveis que nos circundam nesta limitada existência probatória.

Eu sei que existem muitas coisas em que estou sendo provocado (não influenciado) a fazer no dia-a-dia de meu existir, entretanto, hoje mais do que nunca, o Evangelho se tornou existencial para mim..., é o fato de eu pegar ou largar..., de crer ou não dá o primeiro passo para crer..., é o ato contínuo de confiar ou o de não se lançar ao Evangelho...

E uma destas verdades existencialmente-na-mente de todos nós, é o fato de sabermos que existem inúmeras coisas e opiniões que lá no fundo do coração a gente sabe que não é importante; sabe que não é verdade; sabe que não traz vida, e que não vai nos trazer beneficio (bênção) algum. Mas a gente balança a cabecinha nervosa concordando e põe os pezinhos no mesmo caminho dos demais ( inconsciente coletivo).

A gente sabe que estas coisas não se eternizam no coração como valores espirituais.... E consequentemente não levaremos para a eternidade!

São apenas efemeridades deste 'sopro' de vida ordinária...,

Todavia a gente vai aceitando, engolindo..., e ruminando todas essas tiranias!

Mas, na essência o que fica é o Absoluto e o conhecimento do si mesmo...,

E tudo em nome da vaidade de se poder fazer..., ter e possuir [mesmo que jamais seja preenchido tal vazio]...

Então, o que vejo em mim nesta trajetória de acertar o ALVO é uma imensa jactância de absorção do fluxo in-produtivo que desfaz toda a obra da cruz, aliás, de tudo que já foi feito por mim no Calvário - Ao contrário de que em mim gere uma consciência de gratidão de ver em Cristo todas as curas e soluções que a minha alma necessita para este viver de pura ambigüidade de ser - embora eu saíba que o  que me sustém no Caminho da Vida, seja exatamente os sustentáculos da Graça!

Hoje eu vivo e sinto sinceramente por estar mergulhado no Evangelho, graças a Deus, eu posso discernir o que no passado foi importante no momento para mim, e hoje já não é mais tão importante que me faça paralisar... , Quando vejo certas coisas se repetirem e a grosso modo tentarem-me desapropriar da Graça de Deus em Cristo, mergulho no entendimento de que o passado mesmo sendo bom para mim como o foi, hoje já não possui mais valor algum, sendo assim, prossigo para o ALVO, não que eu já o tenha conquistado, mas deixo para trás o novelo em que vivia existencialmente.

Muita coisa que passa pelo terreno de meu ser, o meu pré-consciente deixa peneirar numa boa..., e o resultado é: o que era antes hoje já não é mais "...nada do que foi será do mesmo jeito que já foi um dia...", ou seja, isso aqui  para mim hoje é : palhinha e não me serve mais..., aquilo se tornou de plástico há muito tempo para mim, também não me serve mais..., e isso aqui que discirno como fixações , já não mais são o que era para mim ontem ou no passado..., sim  tudo ISSO virou caixinha!

Transgrido a minha vontade e permito que o novo seja de fato um renascimento para a minha alma..., e o novo só poderá acontecer segundo o Evangelho, no ser, no interior do ser-homem ou do homem interiorizado...

Para esta re-vitalização demanda o fluxo permanentemente da Graça de Deus na vida interiorizada do cristão. E daí todas as conjecturas tiranas que outrora dissolviam a alma e o pensamento racional, são transformadas quando atingem a consciência daquele que dá total razão, se escancara, para o Evangelho de Cristo Jesus.

Sim! Toda e qualquer ameaças desvanecem antes de impregnar a essência do ser que foi recriado em Deus...,i.e.,  Deus instala um Soft em nosso ser, cujo filtro decodifica a Sua linguagem espiritual em nosso cerne-espírito!

E de agora em diante o que importa é tudo aquilo proveniente do Evangelho e da Graça em forma de bênçãos e mais bênçãos de Sua Eterna bondade.

Conquanto deixemos que os pára-digmas da filosofia e da religião caiam por terra e como um hebreu existencial [peregrino em terra estranha, não pertence mais a este mundo-sistema desalmado] andaremos, cuja peregrinação se culminará na Jerusalém Celeste.

Ora, e até conquistar-se a terra prometida, a nossa desa-semelhação de Adão nos custará o preço de reconquistar-mos o Valor-dos-valores de uma vida não pragmaticamente refém das tiranias desta existência, mas uma vida abundantemente e existencialmente NEle que é..., como é e deve ser- flui no Evangelho da Graça ..., canalizando-a para a glória...,

Sem deixar-se enganar/escandalizar com as vozes dos sedutores que piscam os olhos e fazem as sobrancelhas (rsrsrs)!

Ora, eu sei que muita coisa eu não entendo, mesmo as coisas que deixei para trás, todavia, prossigo no Caminho (é uma pessoa - Jesus) que de alguma forma me fará acertar o alvo da minha vocação que antes da Criação do Mundo fui chamado por Deus..., a minha redenção já havia sido CONSUMADA PELO SANGUE DO CODEIRO DE DEUS em algum lugar dentro e fora do tempo e do espaço na História de Salvação!

Sim, N-ele estou, Cujo é Autor e Consumador da minha existência e fé..., o Qual me ensinou a ter a quietude de uma pomba e uma pacificação mental que abraça a Sua Paz Shalom!.

Escrito em 30 outubro 2009 às 17:00

Mano Serafim