sexta-feira, 9 de abril de 2010

O grassar da Graça nas entrelinhas das Escrituras...


A Bíblia é um livro MORAL?
Diante da narrativa bíblica: Deus significa ser, um Ser moral ou amoral?
Olá, nossa vã filosofia moral.
Abra(ã)o, o pai da fé, quando tomou sua escrava (Agar) para si, e possuindo-a, gerou nela um filho (Ismael) mediante sua falta de fé, pela via da sua i-moralidade diante da geral (padrão sócio-moral, o geral), ou, o que de fato ocorreu foi produto da sua insensatez espiritual?
Mais tarde, Abraão, o pai da fé e pelo meio o qual, Deus abençoaria todas as familias da terra foi também considerado: Amigo de Deus...(oxente!)
Logo depois de pai Abraão vem Isaque (filho) e Jacó (neto).
O segundo carrega em seu próprio nome todo ‘trauma’ de seus antepassados pagãos. Talvez fosse considerada a ovelha negra da família, segundo seu irmão, Isaú, que disse indignado – “não é a toa que se chama Jacó”.
Jacó "lutou" com Deus no vale de Jaboque e quase prevaleceu na peleja (está escrito!).
E parece-me que remetido ao quesito MORAL, Jacó deveria ser aniquilado como santo (risos). Então, me respondam se puderem, do que extrair, refletir da frase do Senhor: “Amei a Jacó e aborreci a Isaú”.
Ora, Jacó foi um homem extremamente ‘I-MORAL’, e sem nenhuma porção de caráter de acordo com a MORAL do geral (a média), imaginem se ele fosse evangélico?.
E nesta perspectiva horizontal, a Bíblia está repleta de pessoas que viam a questão moral como uma coisa tão des-carta-da e totalmente longe dos relacionamentos espirituais...,
Ahã?!
Moisés, o príncipe hebreu do Egito foi um homicida e Deus o levantou como mediador-medianeiro da antiga aliança.
Basta perscrutar a vida de Davi, um rei lascivo, homicida e adúltero, mesmo assim foi considerado um homem segundo o coração de Deus[coração quebrantado e temente ao Eterno Sl.51] - “achei a Davi filho de Jessé um homem segundo o meu coração”.
Isso sem comentar horrendamente o volume de sangue que Davi derramou sobre a Terra.
O rei Salomão um sábio articulador, poeta, salmista, cientista, filosofo, como também: mulherengo, interesseiro, e apóstata, porém, erigiu um Templo para Deus em seu reinado de Paz. Coisa que Davi seu pai desejou e não foi permitido pelo Senhor.
Sansão, o gadita [homem de guerra], que se vendeu por um rabo-de-saia, um cara que possuía muita testosterona cumulativa (risos), mas que julgou Israel “com força e vara de ferro” (contra os filisteus incircuncisos) por vinte anos.
E certamente hoje Sansão seria visto pela média-geral-moral, como um sociopata inveterado [serial killer].
O notável é que todos estes nomes estão relacionados na "GALERIA DA FÉ" (He.11), e mais, como HOMENS (gente amada de Deus) de que o mundo não era digno....
Agora, num salto para o Novo testamento encontramos...
Percorra a genealogia de Jesus e coloque o seu dedo indicador sobre um nome: Raabe, a prostituta de Jericó que deu abrigo aos espias israelitas: Josué e Calebe.
Foi reciprocamente salva quando os israelitas invadiram Jericó. Lá está o seu nome incluído na LINHAGEM [árvore genealógica] do Messias.
Na mesma toada penetre na História messiânica e leia comigo tal assertiva nos evangelhos: “Maria será envolvida pelo poder do Altíssimo, e o ente que nascerá de ti será chamado de Emanuel (Deus conosco)”.
O Santo de Israel se misturando com os reles mortais, pecadores que cultivavam uma MORAL amorfa e preconceituosamente social.
Ops! Maria já não era des-posada(separada para o litigioso e a tradição) com José, o carpinteiro de Nazaré?
- Gente, onde se encaixa a MORAL divina neste episódio?
Deus teria "adulterado" com Maria, traindo assim o bom senso de José seu marido que nem sequer a havia desposado?
E para a SOCIEDADE JUDAÍCA da época, como ficaria a reputação de José, aliás, a reputação da virgem Maria?
E que Deus é este que a Bíblia supostamente revela?
O revela como um Ser altamente I-moral [esta é uma inversa leitura óbvia dos que se intitulam como detentores/fabricadores da Moral sagrada], não há outra lógica possível?
Posto que, José, o marido de Maria só foi avisado do ‘plano divino’ em sonhos, e quando sua esposa já estava enxertada pelo Espírito Santo, não há nada para pensar de forma diferente, moralmente falando.
Portanto, o que se discerne pela fé, é que a MORAL tem que ser vista como uma questão variável, étnica, cultural, e antropológica.
Se expliquem apolo-gistas da inerrável teo-logia MORAL?
A Bíblia é de fato um livro MORAL?
Não me parece.
Jesus disse que Deus é Espírito. E de fato, Deus O é. Sim, O Espirito Santo ou o Santo Espirito!
E não o espírito da MORAL. E nem a MORAL espiritualizada que se adequou a ética humana e religiosamente ARROGANTE....
Quando o casal "perfeito" andavam nus no Éden, para Deus eles sempre estiveram vestidos..., vestidos pela energia vitalícia da GRA[mor]ÇA[moral], cujo, fluxo oriundo do Pai de Amor, adornava a alma e refazia-se a consciência de todo aquele que para o seio do Criador retornava em submissão de amor espiritual.
Por outro lado, todos estão des-nudos perante os olhos de Deus. Principalmente os arrogantes religiosos que se acham no direito de possuírem mais merecimento do que deveria, empavonados com a ‘santa’ presunção humana aliada à culpa existencial do dever de ter-que-ser, para que de alguma forma sensibilize a Deus, e assim, haja uma maneira bastante humana e merecedora de se AUTO-justificar ante ao juízo divino, ou algo que some como obras de autojustificação do que já foi feito[contabilize como crédito de justiça própia, barganha...] por todos nós, no Calvário!
Assim viviam os "santos" fariseus na época de Jesus!
Tudo isso é posto e apresentado diante do Santo como um saco cheio até a boca de excrementos de vaca.
E nada a mais.. Ou mais nada!
A famigerada moral humana nada significa perante ao Pai, mas sim, o sangue de Jesus Cristo, a própia JUSTIÇA de Deus sobre qualquer homem arrependido.
A ordem do Céu é: "Arrependam-se e creiam no Evangelho!"
De um lado se explícita o nosso senso de justiça e san(t)idade própia, dada a falacia de nossa justificação presunçosa que usa como pano de fundo a MORAL do cristianismo histórico.
Do outro lado, nos deparamos com um Deus AMOR-AL que planifica o Absurdo de total verticalidade espiritual com a perplexidade horizontal do ser humano caído [ cria-se um paradoxo].
O irônico é que Jesus no seu discurso, jamais condenou sequer uma prostituta, um ladrão, um cobrador de impostos, um soldado romano, ou um pecador.
Muito pelo contrário, ele censurou os lideres religiosos e os apologistas da Teo-logia Moral, a saber: os fariseus e os doutores da Lei-moral...
Deus não ver como o homem ver, no exterior, na aparência, Deus ver o íntimo, a subjetividade, os desígnios de cada coração.
Estava Jesus acompanhado por diversas vezes com pecadores e cobradores de impostos, mas o seu discurso de reprova-Ação era dirigido aos detentores dos oráculos de Deus, é claro do deus Moral, ou da moral deles projeta em Deus.
Sendo Deus A-moral, a Encarnação é compreendida e aceita por uma questão de FÉ e de GRAÇA[favor imerecido].
Sem fé é impossível agradar a Deus, porém, para os homens religiosos, toda sorte de mentiras e mantras são bem-aventuradas quando a sua reputação permanece 'de pé'..
Ora, a fé determina um fundamento já existente antes dos mundos: A Pedra Angular (Jesus). E sem este firme fundamento existencial-espiritual, a Graça não seria a Graça, ela não seria o que é sempiterno: O FAVOR IMPARCIAL DE UM DEUS-AMORal sobre toda carne e em todo o tempo-espaço da História....,
E este Deus-amor-al que é o Deus que vem sendo eternamente, jamais contou com a questão MORAL de quem quer que se intitule o PARADIGMA da Re-ligi[ç]ão do SAGRADO...,
Foi por isso que Jesus foi totalmente rejeitado pelos ju-deus e pelas autoridades religiosas de sua época. Por não aceitar a mo-ral imposta deles!
Mas não se engane, ainda per-dura tal pensamento da geral médio-medíocre: Todos os que se benzeram antes de agir terão a "permissão" de Deus para fazer. Ou seja: Tudo aquilo que você conseguir formar consenso com o seu senso, você pode.
E é aí que reside o AUTO-ENGANO espiritual.
Mas acredito que misericordiosamente, Deus jamais permitirá que o homem novamente cometa a mesma loucura do Éden.
E isso seria uma questão de autoridade e poder?
Não, mas, uma atitude de Quem ama eterna-mente e que deseja que sua criatura o veja revelado na Bíblia como o espirto da letra, a Palavra (logos), a Encarnada Palavra, a VOZ que impeliu a Abraão, Isaque, Jacó, Sansão, Davi, Maria, José e Jesus...
Sim, sugiro que você leia a Bíblia com um olhar-coração quebrantado, sem se importar com os comentários no rodapé, se for possível, utilize uma Bíblia sem comentários temáticos e teológicos. É meu desejo que você cresça espiritualmente.
É também o meu desejo que você ouça a Voz no revelar das Escrituras, e não na letra morta da religião que mata.
Faça de cada livro, capitulo e versículo uma ponte com JESUS CRISTO, pois, utilizando Jesus como a sua única interpretação na leitura diária da Bíblia Sagrada, logo você descobrirá a simplicidade substancial que é o Evangelho, e como é fácil entender o que ali está DITOESCRITOREVELADO (assim mesmo, tudo junto mesmo) para cada ser que é, e que enxerga com a alma a revelação de Deus em Cristo Jesus, A Palavra Viva.
Ora, assim se entende o grassar da Graça nas pisaduras das Escrituras!
Ela, a Graça de Deus, alcança a todos, todos quantos ouvirem a Voz do Verbo Vivo de Deus, ou seja , a Palavra divina Viva encarnada em Jesus, ou o Verbo Encarnado de Deus. E esta Palavra está acessivel a todos que examinam a Bíblia com o coração cheio de fé.
Um Beijo,
M Serafim